• Vakinha
    Vakinha
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg

Trabalho em telhado: se cair, do chão não passa, só que pode morrer

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Segurança contra queda (Foto Pixabay)

Parece óbvio que para trabalhar em cima de telhado ou cobertura todo cuidado é pouco. Afinal das contas, nesses lugares o que não falta é risco de acidentes. Já afirmei ao lançar este blog, que quando se trata de segurança do trabalho, o que vale é a prevenção. Assim, meu papel com os posts diários é atiçar a percepção de riscos e, em diversas atividades laborais, sugerir orientações de segurança. E é sobre o telhado, o tema de hoje.

Vai trabalhar em telhados? Planejamento, equipamentos de segurança e cuidados especiais são essenciais. Todo operário sabe, quanto mais alto, maior a atenção. É preciso conhecer o tipo e a resistência das telhas usadas e definir a melhor maneira de chegar lá em cima. Geralmente, as escadas ajudam bastante, não é? Mas elas devem ser firmes e adequadas ao serviço. Ora, se o trabalho for executado perto de beiradas ou aberturas, não se deve esquecer a sinalização. Para evitar desabamentos é só distribuir o peso e não deixar o material concentrado num lugar só. Com tudo organizado, a obra vai longe. Pisar em telhas de fibrocimento, tem de ser bem devagarzinho para não quebrar. É quase como se estivesse pisando em ovos. Ah, se houver telhado envelhecido com falta de apoios e em más condições, melhor não dar nenhum passo. Então, para circular em cima da cobertura, será necessário instalar uma prancha, que deve ser bem conservada e posicionada. Agora, se a superfície for inclinada ou úmida, a atenção deve ser redobrada para não correr risco de tombos.

Mas antes de tudo, o cabo de segurança e o cabo guia devem ser usados. Vamos ver como? Para a instalação ficar perfeita, as pontas devem ser presas na estrutura da edificação com um suporte de aço inoxidável. Este não pode ficar fraco, não. Precisa sustentar, no mínimo, seis vezes o peso de uma pessoa equipada. Isso equivale, mais ou menos, a cem quilos. Para durar a obra inteira, o cabo deve ser protegido contra a corrosão. Assim que chegar ao telhado, o operário deve ancorar o mosquetão do cinturão e o trava-quedas.

Que os equipamentos de proteção individual (EPIs) são essenciais, todo mundo está careca de saber. Por isso, anote aí: luvas de couro, capacete com a jugular ajustada ao queixo e o cinturão de segurança tipo paraquedista. Mais: óculos, máscara e protetor de ouvido também entram nesse planejamento. Mas, lembra-se: tudo deve estar limpo e conservado. Logicamente, o cuidado vai da cabeça aos pés. Logo, os calçados devem ser flexíveis, com sola antiderrapante.

Encerro: o céu está ameaçando desabar? Trabalhar na chuva e com ventos fortes, nem pensar! E quando o ar estiver com muita fumaça e poeira, também é proibido. Agora, se estiver fazendo aquele sol de rachar, o trabalhador deve ter cuidado com a insolação, bebendo bastante água e passando protetor solar. Boa e velha dica: limpeza e organização são sinônimo de trabalho seguro. Pronto#passeiminhasdicas.

2 Comentários

Deixe uma resposta



This blog is kept spam free by WP-SpamFree.