• Vakinha
    Vakinha
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg

Trabalhador que exige respeito também precisa saber respeitar

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

cel no trabalho
Óbvio ululante: além dos direitos, trabalhador tem deveres

A violência moral ou assédio moral do trabalho é um tema recente no País, mas que já ganhou destaque pelas decisões dos tribunais ou mesmo porque a mídia tem divulgado os casos mais escandalosos.

Segmentos bancários e de teleatendimento disputam os primeiros lugares no ranking do assédio contra os empregados.  Pois é… Este blog costuma publicar e dedica-se também a fazer análises, tentando entender as razões que levam às atitudes e condutas negativas dos chefes em relação a seus subordinados.

Hoje, porém, vou em outra direção. Vou repercutir uma pesquisa do Career Builder, que listou as razões mais comuns dos itens no ambiente profissional que atrapalham a produtividade no trabalho. Obviamente, o celular e as mensagens de texto são os vencedores na lista dos motivos que levam à omissão no trabalho. O smartphone é o maior culpado pela falta de produtividade, segundo 55% dos chefes. Cerca de 83% dos trabalhadores têm smartphone, e 82% ficam de olho no aparelho durante o expediente. Apenas 10% das pessoas com smartphone dizem que ele está diminuindo sua produtividade no trabalho, e dois em cada três (66%) dizem que o utilizam várias vezes ao dia, mesmo enquanto trabalham.

E por que exponho os números dessa pesquisa? Bem, assim como critico os casos de abuso do empregador contra o empregado, também reprovo a atitude sem compromisso do trabalhador para com a empresa.

É evidente que não sou apologista a não-conectividade dos trabalhadores do mundo contemporâneo. Entretanto, distrações tecnológicas são uma forma de má-fé para com a produtividade, imprescindível num contexto econômico tão competitivo. Assim como as áreas de RH e de saúde e segurança do trabalho têm a função de promover a saúde e o bem-estar dos trabalhadores, essas também devem orientar os empregados a serem zelosos ao desempenhar suas funções. Até porque, por exemplo, um motorista de ônibus falando ao celular está, não apenas colocando em risco a sua vida, como a dos passageiros transportados por ele. É grande a irresponsabilidade do motorista que dirige, faz curvas e até troca as marchas segurando o aparelho. Não dá!

Vamos adiante com os 10 “matadores” da produtividade: 1) Celulares e mensagem de texto: 55%; 2) Internet: 41% 3); Fofoca: 39%; 4) Mídias sociais: 37%; 5) Colegas de trabalho que passam para conversar: 27%; 6) Pausas para fumar: 27% 7); E-mail pessoal: 26%; 8) Reuniões desnecessárias: 24%; 9) Colegas de trabalho barulhentos: 20%; 10) Sentar em um cubículo: 9%.

Veja como os profissionais usam o celular no horário de trabalho: 1) Mensagem pessoal: 65%; 2) Previsão do tempo: 51%; 3) Notícias: 44%; 4) Jogos: 24%; 5) Compras: 24%; 6) Trânsito: 12%; 7) Fofoca: 7%; 8) Vendas: 6%; 9) Conteúdo adulto: 4%; 10) Namoro: 3%. Aos trabalhadores que reivindicam direitos, não é certo não darem o exemplo, cumprindo com seus deveres. #prontofalei.

 

2 Comentários

Deixe uma resposta



This blog is kept spam free by WP-SpamFree.