• Extingue
    Extingue
  • Instituto Treni
    Instituto Treni
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg
  • Santista
    Santista

Todo trabalhador precisa cuidar da saúde dos olhos, não é mesmo?

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Prevenir o glaucoma é direito do trabalhador (Foto Pixabay)

Dizer que a cegueira literal, ou seja, a condição definida pela perda da habilidade de enxergar é algo assustador para qualquer ser humano é exprimir o óbvio.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), há cerca de 60 milhões de pessoas cegas no mundo. Por inúmeras razões, muitas nascem privadas da visão. Já outras, ficam cegas por causa de doenças, e como abordamos a prevenção no ambiente ocupacional, este tema está sendo tratado neste post.

Menciono o glaucoma, doença grave que pode provocar cegueira irreversível. De acordo com dados da Previdência Social, no ano passado foram concedidos 2155 auxílios-doença, referentes ao glaucoma. O grande problema com essa patologia é a falta do diagnóstico precoce, uma vez que a lesão precursora do nervo óptico não gera sintomas. Portanto, é uma doença silenciosa que exige acompanhamento de perto com um oftalmologista.

O glaucoma é considerado a principal causa de cegueira irreversível, porque atinge de forma agressiva a visão do paciente. A doença é tão grave que limita a vida pessoal e profissional da pessoa. Quando a visão vai baixando, a pessoa não consegue mais deambular sozinha, sair de casa, pegar ônibus, nem fazer as atividades em casa.

Em casos de profissões como de motorista, o trabalhador fica incapacitado para o serviço se tiver a perda da visão de um dos olhos, já em outros casos, a doença pode ser limitadora. Só no Brasil, de acordo com a Sociedade Brasileira de Glaucoma, a enfermidade atinge aproximadamente um milhão de pessoas. O glaucoma provoca uma lesão progressiva, e isso ocorre devido à pressão ocular alta, que causa a morte de células da retina e danos estruturais no nervo óptico. Com isso, as imagens captadas pela retina não chegam ao cérebro. Agora, se o trabalhador consultar um oftalmologista preventivamente, apesar de não ter cura, o glaucoma não será uma sentença de cegueira. Mas é preciso prevenir-se e dar uma maior atenção à saúde dos olhos. A descoberta precoce da doença aumenta a eficácia do tratamento.

Não é porque o paciente tem um diagnóstico de glaucoma que ele vai ficar cego, pois se a patologia for descoberta numa fase bem inicial, a chance de ele ir até o fim da vida enxergando é grande. Em alguns casos, o paciente é submetido a uma trabeculectomia, procedimento cirúrgico em que se coloca um dreno no olho para a diminuição da pressão intraocular, evitando a progressão da doença.

Com o acompanhamento médico e os tratamentos, quem tem glaucoma pode ter qualidade de vida, por isso é recomendável ir ao oculista uma vez por ano, sempre levando os exames anteriores. Lá, o médico irá medir a pressão e analisar o fundo do olho. Se for detectada uma pressão mais alta ou se no fundo do olho houver alguma alteração estrutural do nervo, com uma investigação mais específica, o paciente será acompanhado ao longo dos anos, para a preservação de sua visão.

Lembre-se, se a doença não for descoberta precocemente, a cegueira será irreversível.

Agora você pode ler este post também na PATISEG, portal digital de prevenção de acidentes de trabalho, incêndio e segurança eletrônica.

Um Comentário

Deixe uma resposta



This blog is kept spam free by WP-SpamFree.