• Vakinha
    Vakinha
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg

Análise ergonômica fora da gaveta

Emily Sobral Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Acho muito chic aquelas empresas que se preocupam em oferecer um mobiliário e equipamentos de trabalho com base na ergonomia. Evidentemente acho bacana o uso da ergonomia porque sei seu conceito de maneira ampla, que é a ciência que estuda a relação entre homem e o trabalho,

Faça o que está prescrito em vez de inventar

Emily Sobral Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Trabalhador que exerce suas atividades em qualquer área cumpre regras, procedimentos e rotinas, que são prescritos, ou seja, determinados pelas organizações.  Mas, normalmente, os empregados executam atividades que ultrapassam o que foi previamente estabelecido para as tarefas. É óbvio e natural que isso aconteça. Porém, na área de segurança,

Trabalhe a distância com segurança contra os riscos ergonômicos

Emily Sobral Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

O trabalho a distância foi regulamentado em 2017, quando começou a vigorar a nova lei trabalhista. O chamado home office é formalizado com o empregador via contrato, que deve fornecer equipamentos e gastos com energia e internet ao empregado. O controle do trabalho deve ser feito por atividade e não por horário.

Quem deve pagar o auxílio-doença? Vem mais mudanças por aí

Emily Sobral Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Como é que o governo bate na tecla de que usará de políticas públicas para tirar das costas das empresas um excessivo custo de operação e obrigações trabalhistas e vem com essa história de passar o auxílio-doença, hoje uma obrigação do INSS, para as empresas? O governo defende passar o pagamento do auxílio-doença do INSS para as empresas?

Insalubridade: empresas precisam conhecer e cumprir a lei

Emily Sobral Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Há questões legais apontadas pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e normas regulamentadoras relacionadas ao ambiente ocupacional insalubre. Esses ambientes expõem o trabalhador a agentes nocivos, como físicos, químicos ou biológicos, capazes de causar danos à saúde. Exemplos de agentes: calor, frio, umidade, radiações ionizantes e não-ionizantes etc.

No ambiente de trabalho, exigência excessiva é nociva ao empregado e à empresa. Simples assim

Emily Sobral Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

As excessivas e até mesmo cruéis exigências relativas à produtividade nas empresas têm resultado em trabalhadores com transtornos mentais. Muitos estudos e consultas com médicos do trabalho revelam que os empregados dos diversos ramos de atividade estão adoecendo mentalmente.

Sob o ponto de vista das empresas,

Trabalhador em espaços confinados precisa de proteção para não entrar pelo cano

Emily Sobral Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

O trabalho em espaços confinados é bastante arriscado, pois como o próprio nome diz, o lugar confinado é um ambiente que não foi projetado para ocupação humana contínua, e possui meios limitados de entrada e saída, cuja ventilação existente é insuficiente para remover contaminantes ou onde possa existir a deficiência ou enriquecimento de oxigênio.

FAP para 2020. Empresas, fiquem ligadas!

Emily Sobral Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Quando trabalhava na redação da revista CIPA escrevi muitas matérias sobre o Fator Acidentário de Prevenção (FAP), que havia entrado em vigor em 2010, um dispositivo criado pelo governo para distinguir as empresas que investem na saúde e segurança de seus trabalhadores. Empresas com menos acidentes de trabalho,

NR 31 também vai ser simplificada: melhor assim

Emily Sobral Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

O presidente do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho (Sinait), Carlos Silva, é contra o processo de mudanças nas normas regulamentadoras (NRs) de segurança do trabalho.

Qualquer pessoa pode ser contra ou a favor de qualquer coisa, não é mesmo? Na minha humilde opinião,

Asma ocupacional: pode prevenir para que não ocorra uma fatalidade como a de Fernanda Young

Emily Sobral Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

A morte da atriz, escritora e roteirista Fernanda Young, de 49 anos, que teve uma crise de asma, seguida de parada cardíaca, no último domingo, chocou a classe artística do País. A asma de Young foi fatal porque ela vomitou e, durante a crise, aspirou o próprio vômito,