• Extingue
    Extingue
  • Instituto Treni
    Instituto Treni
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg

Projeto de Lei quer reduzir jornada em frigoríficos. Será que os Batista vão deixar?

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Redução de jornada de trabalho em frigorifico vai passar? (Foto Pixabay)

Do que os controladores do JBS, os irmãos Joesley e Wesley Batista, são capazes de fazer para se tornarem líder mundial em carnes, não há mais segredo. Comprar políticos corruptos, de A a Z, de todo tipo de ideologia. Por conta das delações de Joesley, o País está em transe, sem saber qual político sobrará em pé para comandar a nação. Então, aproveito que o setor de abate e processamento de carnes veio à baila, para tratar do tema que nos interessa neste blog: quais são os cuidados à saúde e segurança oferecidos aos trabalhadores do setor? Até porque o processo produtivo é extremamente agressivo, com inúmeros riscos à integridade física e mental das equipes.

Os frigoríficos são a atividade econômica que mais gera acidentes de trabalho e doenças no País. Os trabalhadores ficam expostos a ambientes insalubres, baixas temperaturas, umidade, agentes biológicos, ferramentas cortantes, além do ritmo intenso nas linhas de produção. O setor de abate e processamento de carnes tem acidentes de trabalho e adoecimentos excessivos se comparado à maioria das outras atividades. Há riscos como perdas de membros, mãos e dedos, ou adoecimentos osteomusculares.

Pode parecer brincadeira, mas este mês, os senadores que estão muito preocupados com a saúde desses trabalhadores, criaram uma comissão que discute a redução da jornada de trabalho na indústria de abate e processamento de carnes. Que fofo, não! Justo os senadores estão empenhados em aliviar a dura jornada dos trabalhadores dos Joesley da vida. A Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA) reuniu-se para apreciar o Projeto de Lei no Senado (PLS 436/2012). O objetivo do projeto é limitar a jornada de trabalho dos empregados de frigoríficos para seis horas diárias e 36 horas semanais. Essa redução seria possível por acordo coletivo. Já o descanso de 10 minutos a cada 50 minutos trabalhados para as atividades com sobrecarga muscular será obrigatório. No projeto, o banco de horas fica proibido. Além de senadores e representantes de sindicatos, a reunião contou com o juiz do trabalho Luiz Antônio Colussi, diretor legislativo da Associação Nacional dos Magistrados do Trabalho (Anamatra). Segundo ele, a redução da jornada dos trabalhadores de frigoríficos vai diminuir os adoecimentos e acidentes de trabalho no setor, no qual a maioria dos acidentes e doenças em atinge pessoas de 16 a 34 anos.

Afinal, dá para acreditar que políticos estejam preocupados com a saúde de trabalhadores? Esse PLS 436, que teve início em 2012, tá com cara de populismo, que vai ser cozinhado em banho-maria… Pode apostar!

 

4 Comentários

  1. Susana Hidas

    Já está mais do que provado que nenhum dos senadores está interessado na saúde dos trabalhadores. Criando esses projetos eles estão fazendo o de sempre: criando dificuldades para vender facilidades.
    É obvio que a JBS vai distribuir mais algumas malas de dinheiro entre os próprios senadores para que o projeto não passe. Assim funciona este Brasil. Nojento!

  2. Carmem Freitas

    excelente e oportuna matéria. Infelizmente, o segmento de abate e processamento de animais para consumo humano é, como direi, desumano. Depender de empresários corruptos e de políticos idem, nada vai mudar para os trabalhadores.

Deixe uma resposta



This blog is kept spam free by WP-SpamFree.