• Vakinha
    Vakinha
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg

Por que classificar uma planta industrial

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Indústria segura é onde há prevenção contra explosões (Foto Pixabay)

Um dos objetivos da classificação de áreas é tomar medidas de proteção a depender do risco potencial envolvido numa planta industrial.

Para quem é do setor de segurança em instalações que contenham atmosferas explosivas, e é responsável pela integridade física de trabalhadores, o primeiro passo é conhecer o tipo de substâncias inflamáveis.

Nessa etapa, é necessário saber qual é a substância no ambiente, se líquidos, gases ou poeiras, além de suas respectivas concentrações. Ou seja, unidades industriais que processam, armazenam e transportam líquidos inflamáveis e pós combustíveis precisam ser classificadas. E como se faz isso? Classifica-se mapeando e determinando o tamanho das áreas que contêm misturas explosivas e, posteriormente, especifica-se quais equipamentos e sistemas elétricos e mecânicos “Ex” devem ser adequados ao local.

Na fase inicial do projeto, busca-se ainda conhecer o processo produtivo envolvido no ambiente. Os documentos de classificação de áreas são formados por desenhos, em escala, mostrando, além das substâncias inflamáveis, as fontes de risco.

O desenho de classificação de áreas deve conter informações de zona, grupo e classe de temperatura do local. De acordo com a norma IEC 79-10, as áreas classificadas são divididas em Zona 0, na qual uma mistura de gás/ar, potencialmente explosiva está presente continuamente ou por grandes períodos; Zona 1, na qual uma mistura de gás/ar, potencialmente explosiva, pode estar presente durante o funcionamento normal do processo; e Zona 2, na qual uma mistura de gás/ar, potencialmente explosiva, não está normalmente presente, caso esteja, será por curtos períodos de tempo.

A preocupação com a segurança de ambientes potencialmente explosivos se dá também com a instalação de equipamentos elétricos e eletroeletrônicos, que precisam ser especificados, segundo o desenho da área, levando em conta as influências externas. Além disso, o grau de proteção estará diretamente relacionado à capacidade de explosividade, que apresenta a energia mínima de ignição e velocidade de propagação da chama.

“Mas para manter a indústria sempre segura é necessário ainda realizar serviços de reparos, revisão e recuperação dos motores, e atender à norma ABNT NBR IEC 60079-19”, explica Paulo Raña, engenheiro e representante da empresa espanhola ADIX, especializada na prevenção de explosões e proteção de pessoas e ativos.

Um Comentário

  1. Felipe Souza

    Os profissionais envolvidos com as atmosferas explosivas estão aptos a realizar estudos de classificação de áreas. É preciso contratá-los e investir em segurança, antes que as tragédias aconteçam.

Deixe uma resposta



This blog is kept spam free by WP-SpamFree.