• Vakinha
    Vakinha
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg

Não confie nas defesas naturais dos olhos. Eles precisam de prevenção e proteção

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

olho
Foto Agência Brasil

O corpo humano possui mecanismos que protegem a visão naturalmente. Veja bem, o posicionamento recuado da cavidade ocular no crânio oferece proteção pelas laterais e atrás dos olhos contra eventuais choques e trombadas. Se qualquer corpo estranho entrar no olho, este automaticamente encarrega-se de produzir lágrimas para tentar expeli-lo. As lágrimas, tão importantes para o corpo e para a alma, contêm substâncias que ajudam a combater bactérias e trazem a sensação de alívio. A pálpebra, com seu movimento de piscar, auxilia a espalhar a lágrima pelos olhos. Em situação de ameaça, o reflexo de fechar os olhos faz com que a pálpebra proteja o olho. Além disso, os cílios oferecem proteção contra partículas e poeiras. Perfeito, não? Só que não, especialmente quando citamos os ambientes de trabalho de risco.

Quando os mecanismos naturais de defesa não são suficientes para resguardar os olhos num ambiente de trabalho, diferentes riscos podem afetar a visão. E como diz o poema: “os olhos são as janelas da alma”. Num ambiente industrial, partículas volantes, que são fragmentos gerados pelo trabalho, um acidente pode causar danos severos à visão. O dano ocasionado por um acidente dessa natureza vai variar conforme a velocidade, o tamanho e o formato da partícula, podendo provocar cortes e perfurações no olho.

As névoas são outro tipo comum de partículas sob as quais muitos trabalhadores ficam expostos, que são geradas pela atividade de pintura por spray, na pulverização de agroquímicos ou em outros processos produtivos que rompem um líquido em pequenas partículas que ficam suspensas no ar e podem entrar em contato com os olhos. Névoas irritantes podem causar desde sensação de ardência e incomodo até graves reações desagradáveis nos olhos, assim como queimaduras. As poeiras são formadas quando um material sólido é quebrado, moído ou triturado. Quanto menor é a partícula desse material, mais tempo ficará suspensa no ar. As poeiras são encontradas em processos de lixamento, moagem e manuseio de pós. Quando essas pequenas partículas entram em contato com os olhos causam desconforto e irritação. Também as radiações são encontradas em várias operações laborais em céu aberto. A radiação solar e ambientes internos onde haja fornos e soldagens, o excesso de luz visível pode causar ofuscamento momentâneo da visão, ou se um trabalhador ficar exposto por muito tempo num ambiente muito claro, o que pode acarretar dores de cabeça e mal-estar.

Já a exposição à radiação infravermelha pode originar a catarata, que é a diminuição da visão, comprometendo a formação das imagens na retina. A radiação ultravioleta pode causar danos temporários na córnea, queimaduras, câncer e catarata. Avalie sempre o ambiente de trabalho e selecione a melhor proteção aos olhos. Diante da importância e sensibilidade dos olhos, é dever das empresas oferecer a melhor proteção aos riscos de doenças e acidentes oculares. Se ocorrer um dano durante a atividade laboral por falta de equipamento de proteção individual, não adianta chorar. Essas lágrimas serão como leite derramado. Viva a visão e abaixo o clichê! Fui…

 

Faísca fatal

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

“Nada acontece na vida por acaso, para tudo há um motivo e uma solução”, de autor desconhecido, é uma frase bem familiar entre as pessoas. Uso essa expressão para abrir o post da semana sobre áreas classificadas, para citar as fontes de ignição, cruciais às explosões.

Como garantir saúde e integridade física ao trabalhador?

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Os transtornos mentais respondem pela terceira causa de afastamento do trabalho no Brasil. Já as lesões por esforço repetitivo (LER), que fazem parte dos Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT), são a segunda causa de afastamento do trabalho no Brasil. Finalmente, encontram-se no topo desse ranking,

Afastamentos médicos em 2015 mostram que empresas não investem em saúde do trabalhador

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Não é porque temos uma horda de insensatez no País, que não vamos apostar no melhor, que é a prevenção contra doença e acidentes do trabalho. Este é o objetivo do blog. E por que volto a insistir que o que vale é a prevenção?

Inverno vai chegar e você não vai ter gripe, se souber das coisas

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Chegou junho, mês do início do inverno, estação mais fria do ano (em tese), pois, atualmente, o planeta Terra vem trocando as “bolas” de seus fenômenos naturais. Mas como a máxima deste blog é “o que vale é a prevenção”, vamos puxar uma conversa sobre prevenção às gripes e aos resfriados.

Por que há trabalhador que simula doenças?

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

No ambiente de trabalho há uma situação que todos conhecem, mas que, entre colegas, só é falada veladamente. Por parte da empresa, a área de medicina do trabalho é quem se responsabiliza por resolver a questão. Trata-se daquele empregado que, com frequência,

Condições de trabalho nas serrarias em Cerro Grande do Sul são fatigantes. Pudera!

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Se as diversas atividades produtivas são geradoras de emprego e renda que conferem autoestima ao trabalhador, há também o lado oposto desse sistema: é o risco de adoecimento e acidentes de trabalhos durante o desempenho das funções laborais.

O serviço de engenharia e medicina do trabalho (Sesmt) das empresas ou mesmo as consultorias de SST terceirizadas atuam para fazer valer as ações de prevenção contra as doenças e acidentes do trabalho.

Admirável mundo novo do trabalho, sem abrir mão de SST

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Ter opinião é um direito, especialmente os sindicatos de trabalhadores que mantêm saudosismo pelo o que representou em termos de conquistas e publicação da Consolidação das Leis de Trabalho, a conhecida CLT. Hoje, a CLT é menos famosa, pois o jovem entra no mercado de trabalho quase sem formalidade e nem dá bola para a fama que as três letras já tiveram.

Distúrbios na voz e seus impactos no trabalho

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Dar um sonoro bom dia aos colegas de trabalho faz parte da formalidade diária no ambiente laboral. Ou também destinar um fdp abafado ao chefe grosseiro é uma ação produzida pela voz e muito recorrente no universo profissional. Há também aqueles que vivem da voz,