• Extingue
    Extingue
  • Instituto Treni
    Instituto Treni
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg

Segurança de trabalhador em altura vai além dos EPIs

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Salvar o trabalhador em altura antes que se apresente um quadro chamado de suspensão inerte (Foto Pixabay)

Segundo as estimativas do governo divulgadas há cerca de três anos, 40% dos acidentes de trabalho ocorreram por quedas, que causaram lesões graves ou até mesmo a morte dos empregados. Em função do protagonismo sinistro do trabalho em altura, em 2012, a Secretaria de Inspeção do Trabalho, do então Ministério do Trabalho, publicou a norma regulamentadora 35. Essa NR define alguns sistemas e equipamentos de proteção coletivos e individuais, além dos treinamentos obrigatórios.

Então, por que nem mesmo com os equipamentos de proteção individual (EPIs), que incluem cinturão e acessórios de ligação, com trava-queda ou talabartes, a proteção aos trabalhadores não está garantida?  Porque, ainda assim, o trabalhador pode despencar da altura em que se encontra, e mesmo usando esse aparato de EPI, sua integridade física poderá ser afetada. Como assim? Explico: é que para a efetiva segurança do trabalhador em altura ainda há um aspecto relevante que visa a salvar o trabalhador que cai: trata-se do plano de emergência que envolve as operações de resgate do empregado que fica pendurado pelo sistema de proteção. O setor técnico de segurança do trabalho deve saber que se o trabalhador ficar pendurado por muito tempo, quadro chamado de suspensão inerte, haverá dificuldade de circulação do sangue, podendo levá-lo ao óbito.

É, meu caro, EPI que resiste à queda não é suficiente na proteção do trabalhador em altura. Há comprovações científicas de que a suspensão sob amarras pode acabar com a perda da consciência da pessoa, seguida de morte, em menos de 30 minutos. Ou seja, o plano de emergência é tão importante quanto os equipamentos. Na hora em que o trabalhador cai, ninguém pode se fingir de morto, se não, quem morre é ele.

Agora você pode ler este post também na PATISEG, portal digital de prevenção de acidentes de trabalho, incêndio e segurança eletrônica.

Novo TLV-SL entra em vigor no Brasil para superfície em ambiente com agentes químicos

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Para avaliar as condições ambientais em indústrias que utilizam produtos químicos, a gestão de segurança do trabalho deve realizar testes com instrumentos de medição. Mas, o ponto central dessa avaliação é conhecer quais os limites de tolerância para inúmeros agentes. O modo de inibir que os produtos usados no trabalho contaminem o trabalhador,

Como controlar as energias perigosas na indústria

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Hoje trago uma pauta que pouco costumo divulgar. Nem por isso não é relevante ao nosso leitor. Ao contrário, é importante e, assim, vou introduzi-la agora.

Trata-se do controle de energias perigosas. Segundo a OSHA (Occupational Safety and Health Administration), que regulamenta as relações de segurança e saúde no trabalho nos EUA,

PT para proteção ao trabalhador e sem corrupção

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

As normas e legislação de segurança do trabalho foram criadas porque é preciso estabelecer os parâmetros mínimos e instruções sobre saúde e segurança de acordo com cada atividade desempenhada pelo trabalhador. Assim, há funções operacionais que envolvem riscos graves, que podem levar o empregador à morte.

Amostragem de agentes químicos precisa ser bem-feita e por quem sabe fazê-la

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Na avaliação de análise de risco, a amostragem de agentes químicos é um procedimento técnico que permite identificar os tipos de substâncias perigosas no ambiente ocupacional. Esse processo deve ser feito com equipamentos precisos e de forma correta. Portanto, o profissional de segurança deve estar qualificado para efetuar o modo de amostragem de agentes químicos.

A atividade de perícia em segurança do trabalho não é fácil, não!

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

A perícia judicial em segurança do trabalho pode parecer um daqueles temas que indicam um Fla-Flu jurídico, ou seja, trabalhador versus empregador.

Entretanto, é por meio da avaliação técnica minuciosa do ambiente ocupacional e a capacidade do perito que sairá o vencedor.

Canteiros de obras estão mais seguros. Será?

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Melhorar o ambiente de trabalho nos canteiros de obras, prevenindo acidentes e promovendo a saúde do trabalhador é dever de todos, incluindo empresários, empregados e fiscais do trabalho.

Segundo as Estatísticas de Acidentes de Trabalho na Indústria da Construção, entre 2012 e 2017,

Assédio e agressões no trabalho devem ser denunciados

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

As violências no trabalho devem ser combatidas, e o primeiro passo é a conscientização da sociedade para que casos de assédio moral sejam denunciados, até a sua completa eliminação.

Os relatos de violência no ambiente de trabalho vão desde empregados sobrecarregados,

As polêmicas envolvendo a NR 12 precisam ser resolvidas para reduzir o número de membros amputados em trabalhadores

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Trabalhador com braço amputado por causa de máquina na fábrica é um fato comum no Brasil. Mas, o que é feito para que essa infelicidade deixe de existir ou pelo menos seja reduzido?

Simplesmente colocar em prática o que a boa gestão de saúde e segurança do trabalho recomenda às empresas.

Causas ocupacionais da tendinite do supraespinhoso

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Quando o assunto é doença osteomuscular relacionada ao trabalho, devem-se analisar três riscos. Primeiramente, a sobrecarga ocupacional pela ocorrência de movimentos repetitivos, pela aplicação de força e pela postura estática. Quando há um ou todos esses riscos juntos, além da falta de tempo de recuperação,