• Extingue
    Extingue
  • Instituto Treni
    Instituto Treni
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg

Trabalhador deve ter cuidado com as redes sociais para não ser demitido. Renan Calheiros, se não fosse senador, com foro privilegiado, deveria ter sido

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Nas redes sociais, Renan Calheiro apelou para baixaria contra jornalista. Se fosse um trabalhador do setor privado, seria demitido (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Renan no Twitter foi além do bom senso. (Foto Pixabay)

No início do mês e dos trabalhos da Câmara e do Senado, a movimentação na capital federal foi eletrizante com as eleições das duas casas do Poder Legislativo do Brasil. O deputado federal Rodrigo Maia saiu vitorioso, na Câmara. Já o senador alagoano Renan Calheiros tentou mais uma vez tornar-se presidente do Senado Federal, mas renunciou à candidatura durante a votação quando percebeu que não triunfaria.

Pois bem, irritado com críticas, especialmente por parte da imprensa, Calheiros fez um tweet contra uma jornalista da revista Veja, Dora Kramer. O senador perdeu o ‘juízo’ na rede social, escrevendo um post de cunho pornográfico e de absoluta falta de respeito à dignidade da profissional. A repercussão negativa foi imediata, fazendo com que ele apagasse o tweet, mas a maldição do print de redes sociais já havia ocorrido.

Ora, abro este post comentado o caso de Calheiros na rede social não porque passei a ser jornalista de política, mas porque o texto de hoje deste blog é sobre conteúdos postados por empregados que influenciam de forma negativa suas vidas como profissionais, e até mesmo podem ensejar uma demissão por justa causa. Afinal, postar mensagem de conteúdo polêmico em redes sociais, envolvendo opiniões preconceituosas pode acarretar processos na Justiça, principalmente quando estão direcionadas a alguém específico ou a um grupo de pessoas. O trabalhador que posta conteúdo sexista e preconceituoso poderá ser demitido ou mesmo não ser contratado por uma empresa que não admita em seu quadro de pessoal um indivíduo com perfil extremado.

Mas o que diz a legislação sobre isso? Até pouco tempo não existiam leis específicas para tratar os chamados crimes virtuais, como ofensas raciais via rede social. Porém, quando entrou em vigor a lei 12. 965/ 2014, que deu início ao Marco Civil da internet, esses casos foram avaliados sob outra ótica jurídica, ainda que essas ofensas virtuais não tratem das repercussões trabalhistas. Ainda cabe à Justiça do Trabalho fazer a interpretação dos casos, ao realizar o julgamento com base na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Num ponto, o artigo da Lei 482 fala das hipóteses de demissão por justa causa quando há abusos e exageros contra empregados e empregadores, dentro e fora da internet. Recentemente, a 7ª turma do Tribunal Superior do Trabalho negou o provimento a um pedido de uma empregada que tentava na justiça o direito de retornar ao trabalho por ter sido demitida, depois de ter postado em seu perfil pessoal em redes sociais críticas à empresa com palavras de baixo calão. Sem dúvida, posicionar-se na internet pode causar grandes prejuízos ao trabalhador, e até perder uma vaga de emprego.

Várias empresas começaram a consultar as redes sociais como fonte de pesquisa para traçar o perfil do profissional. Incoerência entre a vida real e a virtual pode ser determinante para a escolha do candidato a emprego. Em geral, as empresas costumam contratar pessoas por habilidades técnicas, e as demitem por inabilidades comportamentais. Então, como não há lei que proíba o monitoramento virtual por parte das empresas, é bastante prejudicial o trabalhador sair postando conteúdos preconceituosos, com mensagens homofóbicas e machistas.

Renan Calheiros, se estivesse na iniciativa privada, pelo tweet que expôs a honra de Dora Kramer, estaria DEMITIDO, por justa causa.

Agora você pode ler este post também na PATISEG, portal digital de prevenção de acidentes de trabalho, incêndio e segurança eletrônica.

Vai reclamar o direito à adicional de insalubridade na Justiça? Então conheça os personagens do processo

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Trabalhador que recorre à Justiça porque acha que tem direito ao adicional de insalubridade ou periculosidade, que sua empresa não lhe paga, por exemplo, precisa saber qual é a competência de cada profissional durante o processo que enfrentará pela frente.

Em questões relacionadas à saúde e segurança do trabalho,

Saiba como preencher o eSocial com os dados de saúde e segurança do trabalho

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Chegou 2019 e, finalmente, o eSocial entra em sua última fase, quando englobará os dados sobre saúde e segurança do trabalho. A partir de julho deste ano toda empresa precisará informar por meio do sistema do eSocial as obrigações referentes às ações impostas pelas normas regulamentadoras de segurança do trabalho.

App criado por jovens estudantes em segurança no trabalho mostra que o setor pode ser pop

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Estou há 10 anos cobrindo SST (saúde e segurança do trabalho), com o objetivo de elevar o tema no ranking dos interesses nacionais. Mas, que nada! O que tem emplacado como assuntos de relevâncias são empoderamento feminino (credo), realidade aumentada, que mistura o real e o virtual,

Não adianta reclamar pela falta de status de ministério

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Não tenho procuração para defender o novo governo, mas não deixarei de fazer minha análise sobre a situação do setor de saúde e segurança do trabalho, a partir das mudanças de partidos políticos no Brasil.

Segundo entrevista do presidente do Departamento Intersindical de Estudos e Pesquisas de Saúde e dos Ambientes de Trabalho (Diesat),

Acidente de trabalho em Brumadinho, MG. Este blog reafirma seu slogan: “segurança do trabalho: o que vale é a prevenção”, mas a Vale não pensa assim

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Estou cobrindo o setor de segurança do trabalho há exatos 10 anos. De lá até hoje o que vejo são as empresas que cumprem as normas regulamentadoras de segurança ocupacional porque são obrigadas, para não serem fiscalizadas e multadas. Sim, há muitas companhias que entendem que investir em saúde e segurança de seus trabalhadores reduz afastamentos e punições.

O treinamento de CIPA pode ser realizado na modalidade EAD?

Hoje, segunda-feira (28), é um excelente dia para abrir espaço aos profissionais do setor de SST. Até porque, quem me substitui é Renan Ragazini, técnico e engenheiro de segurança do trabalho, com 10 anos de experiência no mercado e atuação no segmento de Segurança e Saúde Ocupacional na Porto Seguro, empresa líder no ramo

Emily Sobral Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Por Renan Ragazini

O treinamento na modalidade a distância vem ganhando grandes proporções nas empresas devido às inúmeras facilidades e benefícios que ele trás.

30 anos em prol da segurança do trabalho dos baianos

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Começo o post hoje com um pouco de história, lembrando que Salvador (Bahia) foi a primeira capital brasileira por 214 anos, entre 1549 e 1763. Sua escolha deveu-se à posição estratégica que a Baía de Todos os Santos representava para os navegadores portugueses, já que escoava a maior parte do pau-brasil extraído.

NR 36, independentemente dos irmãos Batista

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

A norma regulamentadora 36, que trata da segurança e saúde no trabalho em empresas de abate e processamento de carnes e derivados, foi publicada em 2013. Conhecida como a NR dos Frigoríficos, a norma era uma demanda para o setor no País que, segundo estimativa,

Melhor trabalhar em pé ou a pé? Talvez, sentado

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Quem é carteiro, responsável por entregar as correspondências na casa dos clientes, sabe que terá de caminhar alguns quilômetros por dia. Mas essa atividade profissional em que se anda a pé rotineiramente traz benefícios por ser aeróbica e, melhor, ajuda a emagrecer, com reflexos no controle da pressão arterial e diabetes.