• Extingue
    Extingue
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg

Boa iluminação no trabalho proporciona boa visão, saúde e produtividade

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Iluminação em ambiente de trabalho é bem diferente de boate (Foto Pixabay)

Má iluminação no local de trabalho gera risco ao trabalhador, trazendo consequências à saúde dele.  O escurinho do cinema ou a luz estroboscópica em boate são opções de lazer. No ambiente laboral, o grau de iluminância tem regras a serem seguidas.

Considerada um risco físico, a iluminação deve seguir a norma regulamentadora 17, que trata de ergonomia. Na NR 17, o capítulo sobre iluminância orienta que esta deve ser uniforme, sem provocar efeitos como ofuscamento e contraste. Outra norma brasileira, a NBR 5413, estabelece os valores de iluminâncias médias mínimas em serviço para iluminação artificial em interiores onde se realizem, por exemplo, atividades de comércio, indústria ou ensino. Os valores de iluminância têm de ser de 0,75 m do piso no plano de trabalho. Ou seja, um ambiente bem iluminado. Esses valores devem estar ainda em harmonia com o resto do ambiente onde a iluminação não seja inferior a 70%.

O efeito da má iluminação sobre a visão ocorre porque o olho humano modifica-se à medida que o efeito da luz atinge a pupila, causando sensibilidade da percepção da retina. Ao potencializar sua exposição em locais com baixa iluminação, o trabalhador pode sofrer com o risco de acidentes. Há o fenômeno chamado “estroboscópico”, dando a sensação ao empregado de que o equipamento está parado quando, na realidade, está em movimento se por acaso se iguala à luz em frequência de som. O trabalhador pode sofrer também de “fadiga visual”, que é o cansaço dos músculos da visão, resultando em olhos vermelhos, dor e ardor nos olhos, lacrimejo e contraturas.

CLIQUE NO PLAY DO THUMBNAIL ABAIXO E OUÇA MAIS UM EPISÓDIO DA SÉRIE DE TRABALHO EM ALTURA

Agora você pode ler este post também na PATISEG, portal digital de prevenção de acidentes de trabalho, incêndio e segurança eletrônica.

Como construir um alojamento de canteiro de obra seguro, digno e de convivência

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

A norma regulamentadora 18, que trata das condições e meio ambiente de trabalho na indústria da construção, é muito importante ao setor. Afinal de contas, é uma área que emprega um contingente enorme de trabalhadores de menor qualificação e com alto índice de acidentes.

Caso do Ninho do Urubu tem algo de parecido com a boate Kiss

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Mais um capítulo processual do incêndio no Ninho do Urubu, em que dez jogadores da base do Flamengo morreram e três ficaram feridos, em fevereiro. O Ministério Público do Rio (MP) devolveu na semana passada à Polícia Civil o inquérito, considerando insuficientes as provas para denunciar à Justiça os dez indiciados no caso,

FISPQ: desvende-me e lhe direi para que sirvo

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Quem é profissional de qualquer área conhece os jargões e siglas para chamar de seus, geralmente criados com o objetivo de ‘simplificar’ termos referentes às questões técnicas, trazendo certa intimidade à comunicação. E o setor de saúde e segurança no trabalho também não é diferente,

Ergonomia para a prevenção dos males físicos e psicológicos

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

A dor nas costas ou mesmo as doenças do sistema osteomuscular foram a maior causa de benefícios de auxílio-doença previdenciário concedidos aos trabalhadores de diversas cidades brasileiras. A mudança dessa estatística passa forçosamente pela ergonomia aplicada às empresas.

Do grego ergon (trabalho) e nomos (regras),

A avaliação dos agentes de riscos ambientais requer instrumentos e estratégias corretos

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

A análise de riscos ambientais, como químicos, físicos e biológicos, é feita por meio de instrumentos, e os critérios são definidos por normas e metodologias padronizadas. Uma análise por suposição é papo furado, pois num ambiente que contém benzeno, por exemplo, não basta apontar sua presença,

Quem já aprendeu a operar o eSocial complexo vai saber preencher formulários mais simples e necessários

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Volto a escrever sobre eSocial, porque esse tema continua entre os assuntos de maior interesse entre os profissionais de segurança do trabalho, RH e contabilidade.

Lançado em 2015 e com cronograma de implantação até 2020, a divulgação pelo governo, confirmando que ele será extinto e substituído por outros dois sistemas,

Motofrentista, previna-se contra um corte no pescoço por linha de cerol

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Mesmo com os celulares reinando absoluto entre a molecada, quando chegam as férias, certas brincadeiras voltam à moda. Exemplo: soltar pira ou raia. Assim, dou uma dica aos motoqueiros e motoqueiras: se ainda não instalaram a antena pega-cerol em tempos de pipa, façam isso agora.

Os auditores da Subsecretaria de Inspeção do Trabalho da Secretaria de Trabalho precisam dar atenção aos representantes dos trabalhadores e empregadores

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Tenho escrito neste blog que os problemas gerados pelos anúncios do governo Bolsonaro de mudanças nas normas regulamentadoras de prevenção de doenças e acidentes do trabalho, bem como a extinção do Ministério do Trabalho, substituição do eSocial por outros sistemas de informações trabalhistas, estão relacionados à falta de interlocução entre os auditores fiscais destacados como novos responsáveis pelas políticas de SST e os líderes dos trabalhadores.

Trabalhador não é criança, mas pode receber advertência

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

No Brasil, mais do que em qualquer outro país, o empregador é ‘vendido’ como vilão, e o empregado, como ‘a vítima’.  As ideologias esquerdistas são as patrocinadoras dessa narrativa, não é mesmo? Para mim, a lógica é simples. Tanto empresário como trabalhador devem ter direitos e deveres respeitados,