• Vakinha
    Vakinha
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg

Escada pressurizada: saída inteligente contra o fogo

Emily Sobral Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Instalar pressurização em escada requer projeto e sistema (Foto Pixabay)

A prevenção contra incêndios em edifícios verticais requer a instalação de inúmeros sistemas e medidas. Normalmente, quando o sinistro acontece, as pessoas saem correndo pela escada, porque ninguém é louco de esperar o elevador chegar ao andar, não é mesmo? Mas quando o fogo começa a tomar grandes proporções e a fumaça invade as escadas, será que é possível enfrentar o tempo de descida, sem risco de morrer sufocado?

Entre as propostas de sistemas de segurança contra incêndio em escada, a do tipo pressurizada é a bem requerida no mercado. A escada pressurizada conta com requisito de segurança, que funciona pelo método de insuflamento mecânico de ar no ambiente. Assim, o ar insuflado provoca um diferencial de pressão entre a escada e as demais áreas, que evita a entrada de fumaça no local.

Em São Paulo, o sistema está descrito na Instrução Técnica nº 13 do Corpo de Bombeiros do Estado que especifica os parâmetros que devem ser seguidos nos edifícios. Nessa IT constam as referências de largura das saídas, distância percorrida, corrimão, piso, parede, forro, teto e material dos objetos presentes na estrutura do edifício, para afastar o fogo e fumaça no local. Para a instalação do sistema de pressurização de escada utiliza-se o ventilador em uma casa de máquinas ou em uma antecâmara. Nesse ambiente à parte, o ventilador capta o ar exterior, que é encaminhado e inserido nos andares até atingirem uma pressão positiva que varia entre 40 e 60 pa, que impede que a fumaça adentre o local. Há outros componentes de pressurização que confirmam que as escadas sejam uma rota de fuga segura para as pessoas.

CLIQUE NO PLAY DO THUMBNAIL ABAIXO E OUÇA O PROGRAMA ‘RESPIRAR SEM ERRAR’ COM O TRIO EMILY SOBRAL, DOROTHEA PIRATININGA E EDUARDO ELIAS. 

Agora você pode ler este post também na PATISEG, portal digital de prevenção de acidentes de trabalho, incêndio e segurança eletrônica.</a

Relações de trabalho ideias para o não adoecimento mental: quais serão?

Emily Sobral Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

O problema do mundo com a famigerada pandemia do ‘vírus chinês’ é que a economia foi para a lona. Daí, a consequência óbvia é que o desemprego e a pobreza aumentaram.  Sem dúvida, o trabalho tem um valor psicológico e financeiro importantíssimo.  Mas, como há complexidade nas relações humanas e profissionais,

Ênfase nas principais alterações da NR 7

Emily Sobral Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Como ainda estamos no ano em que o Ministério da Economia aprovou a nova redação da Norma Regulamentadora nº 7 (início de 2020), que trata do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO, obrigatório às empresas, e muitas dúvidas permanecem, seleciono alguns esclarecimentos.

Primeiramente,

Mantenha a SIPAT na programação anual

Emily Sobral Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Sabemos que a pandemia da Covid-19 colocou o planeta de pernas por ar. Mas, acreditemos que o pior já passou, especialmente no Brasil. Por que faço essa introdução? Ora, as empresas precisam continuar produzindo e os empregados, trabalhando, não é mesmo? E as obrigatoriedades em relação às medidas de segurança do trabalho também devem ser retomadas,

Construtora séria cumpre com suas responsabilidades

Emily Sobral Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Escavadeira, bate-estaca, furadeira e lixadeira são os principais equipamentos responsáveis pelos barulhos e ruídos estridentes dentro de um canteiro de obra. Morar perto de uma construção em andamento é, com certeza, passar raiva pelos sons permanentes. Se para o vizinho que escuta distante, imagine para o operário que,

Não perca o webinar amanhã com especialistas em detecção de gases, segurança industrial e proteção contra incêndio

Emily Sobral Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Este ano é para ser esquecido por causa do lockdown que os gestores públicos mundiais decretaram para que fosse possível desacelerar a propagação do Covid-19.

As consequências da quarentena foram lamentáveis sob o aspecto econômico, aumentando a pobreza e a quebra de empresas. Mas devemos esquecer o medo,

NR 18, atualizada aos tempos modernos

Emily Sobral Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

A revisão das normas regulamentadoras diminuiu de ritmo por causa do ‘vírus chinês’, obviamente. Mas já há NRs atualizadas e com seus textos indo ao encontro do mundo novo e tecnológico.

Exemplifico com a NR 18, que trata das condições e meio ambiente de trabalho na indústria da construção.

Incêndios em edificações ainda acontecem, meu povo!

Emily Sobral Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Na semana passada três apartamentos do mesmo prédio, localizado em condomínio na Zona Oeste de São Paulo, pegaram fogo. O Corpo de Bombeiros enviou quinze viaturas até o local e, felizmente, extinguiu o fogo em todos os imóveis.

Segundo as primeiras análises dos bombeiros, uma das prováveis causas do incêndio pode ter sido devido à tubulação do ar-condicionado.

Riscos, prevenção e individualidade, tudo junto e misturado, envolvendo o sucesso da segurança do trabalho

Emily Sobral Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Os riscos ambientais nos diversos setores produtivos provocam adoecimentos em trabalhadores. Esta realidade permanente não pode causar desespero, muito menos lockdown, pois as pessoas precisam sobreviver e, além de tudo, o trabalho enobrece o homem, se é que me entendem.

No entanto, a gestão de segurança do trabalho nas empresas deve ser rigorosa e ter plena condição técnica de minimizar e prevenir esses riscos,

Se processos produtivos mudam, os riscos também

Emily Sobral Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Um dos papeis mais importantes do setor de segurança do trabalho é fazer as avaliações periódicas nos ambientes ocupacionais quando há mudança nos métodos de produção. Por exemplo, muitas indústrias possuem plantas em lugares distintos e, algumas delas, resolvem enxugá-las, reunindo a produção em um único local.