• Extingue
    Extingue
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg

Oh, Luciano Huck, por que você não divulga em seu Caldeirão o concurso sobre eletricidade com segurança para as crianças e aos adolescentes?

LOGO2015 (3)

O concurso nacional de redação e desenho com o tema Eletricidade com Segurança é uma ideia sensacional.  Empolgo-me em defender e divulgar o concurso da ABRACOPEL – Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade, pois a inciativa, que entra em sua quarta edição em 2015, atinge dois aspectos que considero pertinentes: primeiro, porque a informação na base é uma aposta em educação. Segundo, é a estratégia de tonar a criança e o adolescente multiplicadores dos conceitos de prevenção de acidentes. Ainda mais quando dados estatísticos dão conta de aumento do número total de acidentes envolvendo eletricidade. Segundo a entidade, o ano passado apresentou uma alta de 17,7% desses acidentes em relação ao ano de 2013. Mas voltando ao concurso, que busca estimular jovens a criar um pensamento de segurança no uso da eletricidade, a ABRACOPEL visou desenvolver na criança e no adolescente o papel de formadores de opinião. Veja bem, o filho conscientizado dos perigos da eletricidade pode alertar o pai quando ele vai consertar o chuveiro elétrico de sua casa. Nessa tarefa, muitas vezes, não são tomados procedimentos mínimos de segurança, que é, por exemplo, desligar a chave geral.

As inscrições para o concurso estão abertas desde 3 de março e vão até 31 de agosto de 2015. Podem participar todos os alunos matriculados regularmente nas escolas públicas, na faixa etária entre seis a 15 anos, de ambos os sexos, localizadas no território brasileiro. As modalidades de participação incluem Desenho e Redação. Na categoria Desenho, há as menções um e dois, para crianças entre seis e oito anos, e entre nove e dez anos, respectivamente. O tema é eletricidade com segurança – eu me preocupo! O formato do desenho, com a frase em papel, deve ter os tamanhos A3 ou A4 ou dimensões similares, podendo ser elaborado de forma livre ou usar quaisquer técnicas ou materiais pertinentes às faixas etárias e de acordo com as normas de cada instituição de ensino participante, exceto por meios eletrônicos (não serão aceitos desenhos usando computadores ou qualquer outro meio eletrônico). A criança deve escrever o tema, de próprio punho, dentro das normas ortográficas vigentes.

Na categoria Redação, também há menções um e dois, para adolescentes entre 11 e 13 anos, e entre 14 e 15 anos. A redação deverá ter, no mínimo, 20 linhas e, no máximo, 60, redigida de próprio punho, em letra cursiva e ortografia vigente (não serão aceitas redações escritas em computador, máquina de escrever ou qualquer outro meio eletrônico). O autor deve criar um título próprio, e o estilo do texto pode ser dissertativo, narrativo, descritivo ou poético. O concurso, que vem aumentando as inscrições desde que foi criado, requer ainda uma ampla divulgação nos meios de comunicação. Oh, Luciano Huck, cadê os produtores do seu Caldeirão que não colocaram na pauta este 4º concurso da ABRACOPEL? O Brasil tem boas iniciativas, duvida?

Por Emily Sobral

Reduzir acidentes de trabalho em altura é obrigação de todos

Volto ao trabalho em altura que foi assunto do post do dia 4, quando tratei da impossibilidade de o médico atestar 100% se um empregado é apto às atividades, sem risco de queda. Os médicos do trabalho argumentam que os exames clínicos podem não ser conclusivos e o fator subjetivo em relação às fobias e aos medos de um empregado não é capaz de prever um mal súbito que o leve a cair.

Transtorno mental no trabalho: não adianta estigmatizar quem tem

O quadro das doenças ocupacionais não mudou muito nos últimos anos. O transtorno mental continua sendo a terceira razão de afastamento de trabalhadores pelo Instituto Nacional de Seguro Social (INSS). Segundo o Anuário Estatístico da Previdência Social de 2011, mais de 211 mil pessoas foram afastadas em razão de transtornos mentais. O médico do trabalho João Silvestre da Silva-Júnior,

Meu lar é meu ambiente de trabalho. Como me proteger?

Converter a casa em ambiente de trabalho tem sido uma realidade para milhares de pessoas que não conseguem emprego. Fazer do próprio lar um “ponto comercial”, em que se prestam serviços faz parte do mercado informal. Essa situação cresce no País, tanto que 40% da força de trabalho brasileira estão na informalidade. Se não há emprego,

Mulher: ainda sexo frágil?

No mês da mulher, com seu Dia Internacional, em 8 de março, o blog que hoje faz seu segundo mesversário aproveita para homenagear a todas as mulheres trabalhadoras, brasileiras ou não. Desde sua concepção, o compromisso do blog é com a divulgação dinâmica e atualizada de um tema que é caro ao trabalhador: sua saúde e integridade física no ambiente laboral.

É preciso ficar esperto com a lavagem. Se em casa de enforcado não se fala em corda, em tempos de lava-jato não se toca no assunto de lavagem de dinheiro. Mas hoje vamos falar de lavanderia

Os trabalhadores de lavanderias que prestam serviços a hospitais, hotéis, restaurantes, frigoríficos, indústrias e clínicas veterinárias, de fato, correm os mesmos tipos de riscos de acidentes. As calandras (equipamento de passar roupa), máquinas lavadoras de grande porte, ferros e caldeiras estão presentes em todos esses ramos, oferecendo perigos que precisam de ações de prevenção. Os produtos químicos para remover a sujeira das peças também expõem os trabalhadores às doenças.

Atividades em altura geram polêmica ao médico do trabalho

Do ponto de vista médico, a solução para os riscos envolvendo o trabalho em altura é complexa e polêmica. Os médicos do trabalho são frequentemente pressionados a atender os anseios de trabalhadores, empresas e sindicatos para que atestem ou não a capacidade de alguém para exercer a atividade em altura. Os matemáticos podem garantir e confirmar que dois e dois são quatro.

Respirador que protege é aquele que se consegue usar

Quem é profissional do meio de saúde e segurança do trabalho sabe que o equipamento de proteção individual (EPI) é o último recurso de defesa do trabalhador. Afinal, antes disso, outras medidas de controle já devem ter sido adotadas, especialmente em ambientes insalubres. Mas, por exemplo, em se tratando de indústria cerâmica, da de fundição e da química,

Assédio no trabalho: dê um basta à humilhação e busque seus direitos

Houve um tempo remoto em que os ambientes de trabalho mantinham patrões e empregados numa relação estreitamente polida. Restava ao empregado cumprir com suas tarefas laborais. E ao empregador, cumprir com as obrigações pecuniárias para com o contratado. Não havia intimidade nem companheirismo entre eles. Pelo menos, era assim que se imaginava ser. De uns tempos para cá se passou a ouvir falar de assédio moral e sexual cometido pelo empregador,