• Vakinha
    Vakinha
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg

Trabalho a céu aberto envolve riscos diversos. No verão, a situação é bem mais quente

A rua é um espaço público, mas também é um ambiente de trabalho. Segundo Roberto Damatta, estudioso da questão, “na rua, cada um olha por si e Deus olha por todos”. Agora, colocando o tema sob a ótica de saúde e segurança do trabalho, como ficam, então, os trabalhadores que exercem atividades a céu aberto e sob radiação solar? A rua é para carteiros e coletores de lixo, citando as categorias mais reconhecidas pela população, um ambiente de trabalho que oferece riscos ocupacionais específicos e, por incrível que pareça, algumas “vantagens”. “A questão da violência é extremamente negativa e tem sido alvo de estudos”, afirma Tereza Luíza Ferreira dos Santos, pesquisadora e chefe do serviço de Sociologia e Psicologia da Fundacentro.

Ainda com frequência, os carteiros e coletores de lixos sofrem com a hostilidade de cães ferozes, que mordem e acidentam. Por sua vez, o estigma de ser um profissional inferior afeta os coletores de lixo. Chamá-los de “lixeiros” reforça a estereotipia criada pela sociedade ao longo de épocas. Como exercem uma atividade diária que depende da capacidade física, em que correr e recolher os resíduos de porta em porta, é sua atribuição principal, os coletores de lixo costumam “voar” durante o trabalho. “Eles falam que é correr para voar mais cedo, o que significa correr para poder ser liberado mais cedo”, explica Tereza.

Mas, na prática, as empresas de coleta de lixo estipulam áreas enormes de varrição, e, em geral, por mais que os trabalhadores corram, literalmente, ultrapassam a jornada legal da categoria, que é de 7h20 diárias. “Quando estão trabalhando, eles correm e não andam, pois estão sempre buscando atingir a meta que é coletar a área determinada. Porém, há um fator positivo, que é o trabalho em movimento, que dá sensação de liberdade”, explica. Segundo a pesquisadora, a rua, de fato, possibilita ambiguidades. O contato com as pessoas, a relação com o outro na rua é importante, seja com a criança ou mesmo com o bandido. “A dona de casa, que dá café com leite ao carteiro, ou o dono do bar que libera uma dose de bebida  ao coletor de lixo. A interação é regulada pelos próprios trabalhadores, que fazem alguns ajustes entre eles de modo a possibilitar, por exemplo, uma paquera. Para eles, é bom trabalhar na mesma equipe e no circuito todo dia, pois já conhecem onde estão os sacos de lixo e sabem quem é a dona da casa que lhes dá água. Há esse aspecto positivo, que é a relação com o outro, em que é baseada na solidariedade”, explica.

A norma regulamentadora 21, que trata do trabalho a céu aberto, aborda a obrigatoriedade de haver abrigos, ainda que rústicos, capazes de proteger os trabalhadores contra as intempéries da natureza. Outro item da NR 21 estabelece a exigência de medidas especiais contra insolação excessiva, por causa do sol. Há calor, frio, umidade e ventos inconvenientes que os tornam expostos às doenças e aos acidentes. Contra as radiações UV, as empresas precisam dispor de protetor solar. O problema é que a proteção esbarra na inconveniência de precisar aplicar sobre a pele várias vezes durante o dia, na rua, quando termina seu efeito de proteção solar.  “Mas, sabemos que também não é adequado passar o produto na pele com a mão suada e sem lavar”, afirma. Com a chuva, a situação é ainda mais complexa, pois a capa de chuva de cor amarela, que é o equipamento de proteção individual, com certificado de aprovação pelo Ministério do Trabalho e Emprego, não é bem aceita pelos coletores que preferem utilizar um saco de lixo, “transformado” em capa, que não dificulta seus movimentos. “Eles têm a lógica de economia de tempo, principalmente para dar conta do setor ao qual foram designados para recolher os sacos de lixo”, explica. Segundo Tereza, a gestão desse trabalho na rua é feita pelo próprio trabalhador, o que dificulta resolver a questão da capa de chuva. “Cada tarefa desenvolvida na rua tem um componente afetivo, psíquico e subjetivo”. Quando esses trabalhadores burlam as prescrições de segurança, por exemplo, estão buscando um jeito de minimizar o desgaste do trabalho. Apesar de não ter uma chefia imediata, os coletores de lixo contam também com a vigilância dos munícipes, que ligam para reclamar se entenderem que o lixo não foi coletado. Mas essa pressão é compensada, pois a atividade oferece um componente lúdico, como uma criança que corre, tromba com os colegas, canta e grita pelas ruas. “O coletor de lixo é uma eterna criança, porque está sempre na rabeira do caminhão com a mão no saco…”, brinca. Além da exposição às condições climáticas, os trabalhadores sofrem com a ausência de um local para satisfazer suas necessidades fisiológicas. Até hoje não há uma resolução para essa questão tão óbvia que é haver sanitários onde o trabalhador possa fazer a necessidade número “um” ou “dois”.

Considerando as temperaturas do planeta que estão ficando cada vez mais elevadas, segundo relatórios de meteorologistas, esses trabalhadores sofrerão bastante, pois são os “sem-arcondicionados”. Em geral, nos escritórios, os trabalhadores encontram no ar condicionado, o refresco para o calor. Sabe-se que o trabalho no calor excessivo provoca mais cansaço e desgasta mais. O efeito natural da alta temperatura é a desidratação, que leva ao aumento da fadiga, e a consequência é o risco de acidente do trabalho pela perda de concentração, ainda que os coletores e os carteiros movimentem-se bastante.

O aumento do calor, somado à elevação da umidade do ar, torna mais difícil amenizar a temperatura corporal, o que pode levar a uma queda de produtividade nos meses mais quentes do ano em todo mundo. Trabalhar ao sol não é fácil mesmo. Além dos coletores de lixo e carteiros, os agentes de trânsito sofrem, pois o desgaste é maior nessa época, que chega a reduzir o ânimo.

Pioneira na fabricação de tecidos profissionais no Brasil e líder da América Latina, a Santista Work Solution desenvolveu a tecnologia em tecido contra os raios UV, com sua linha Coldblack, que reduz a absorção dos raios solares em cores escuras e promove melhor gerenciamento térmico. O produto reduz a temperatura em até 5 ºC e minimiza o desconforto causado pelo calor. O tecido é ideal para uniformes utilizados por trabalhadores que ficam expostos ao sol durante longos períodos do dia. Sem dúvida, a proteção contra os raios UV é muito importante.

Por Emily Sobral

Transtorno mental no trabalho, qual é mesmo o nexo?

Há um tema que causa verdadeiro alvoroço entre os médicos do trabalho, tanto que estará em pauta no II Congresso Brasileiro de Medicina do Trabalho e Perícias Médicas, nos dias 13 e 14 de novembro em São Paulo. “Trabalhador com depressão: como avaliar com objetividade se há nexo entre o trabalho e a doença? Quando emitir a CAT?”

Vou tratar do tema aqui,

Construção civil não deve esperar o nível da atividade melhorar para buscar avanços na segurança

O setor de construção civil vem tendo uma redução drástica no nível do emprego no País, como consequência direta da desaceleração da economia. É um infortúnio para quase meio milhão de operários que serão demitidos este ano, segundo previsões. Mas não vou entrar no campo da política nem economia, porque minha conversa é sobre saúde e segurança do trabalho.

SÉRIE CEREST DO BRASIL: Sobral, que não sou de lá

Sou mineira, de Belo Horizonte, com raízes nordestinas (com muito orgulho) e hoje moro no “principado” de São Caetano do Sul, SP. Quer dizer, não sou de Sobral, do Ceará, mas sei que a cidade teve um cidadão ilustre: Chico Anysio. Essa abertura foi apenas para escrever sobre o CEREST de Sobral, no Ceará. Fico feliz de trazer na Série CERESTs do Brasil,

Radioatividade na indústria não deve ser subestimada

A exposição a agentes radioativos está presente na indústria pesada, por conta das análises e procedimentos que usam a radiação nuclear. Chamada de gamagrafia, a tecnologia que utiliza raios gama, nada mais é do que uma inspeção radiográfica, que permite detectar defeitos, imperfeições e corrosões em grandes equipamentos e tubulações. Por exemplo, na construção do gasoduto Brasil-Bolívia,

Logística reversa não dispensa a gestão de SST

A logística reversa é um instrumento que, a partir de 2010, foi introduzida pela Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). Seu objetivo é responsabilizar toda a sociedade, desde fabricante até consumidor, a partilhar pelo ciclo de vida dos produtos. Simples de entender: depois que seu celular foi trocado por um Smartphone, deve-se encaminhar o velho para um local de descarte adequado.

NR 12 deixa profissionais do SESMT na berlinda

É possível que a maioria dos profissionais do campo da saúde do trabalhador ache que não há mais o que se discutir sobre a NR 12. A norma sobre segurança no trabalho em máquinas e equipamentos foi modificada em 2010, mas ainda há contestação no setor industrial. Na prática, as empresas não estão conseguindo cumprir os itens que requerem investimentos.

SÉRIE CEREST: Rondônia investe em educação contra os acidentes

“O Cerest Rondônia vem promovendo ações que visam melhorar as condições de trabalho e a qualidade de vida do trabalhador por meio da promoção, prevenção e vigilância em saúde ocupacional”, afirma a enfermeira Ana Flora Camargo Gerhardt, gerente do Cerest de abrangência estadual.

O papel do Cerest estadual é elaborar e executar a Política Estadual de Saúde do Trabalhador,

Mergulhadores: como ir fundo com segurança

Pois é, até a última segunda-feira nunca tinha escrito sobre medicina hiperbárica. Agora, já volto ao assunto em menos de uma semana. Entrevistei Karol Meyer, que é oito vezes recordista mundial de apneia, o mergulho somente com o ar dos pulmões. Não é para qualquer um. Karol é mergulhadora e já atingiu 121 metros de profundidade e a façanha de ficar submersa em apneia por 18 minutos e 32 segundos,

Trabalhador com deficiência: com saúde e segurança do trabalho

A lei de inclusão de deficientes no mercado de trabalho, chamada de Lei de Cotas, que obriga as empresas a contratarem o portador de deficiência já tem 24 anos. Sem dúvida, é uma importante ferramenta para inclusão social, pois essas pessoas podem produzir riquezas, além de serem consumidoras de bens e serviços. Mas, mesmo estando em vigor por quase um quarto de século,