• Vakinha
    Vakinha
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg

Absenteísmo em hospital é mostrado em pesquisa de enfermeiro

Pesquisa, envolvimento profissional e busca por estatísticas confiáveis são ferramentas que podem ajudar a mudar quadros desanimadores. As doenças de médicos, enfermeiros, auxiliares e todos que trabalham em serviços de saúde, com a função de tratar das doenças dos outros, resultam das más condições hospitalares e de atividade laboral, que, muitas vezes, geram sofrimento.

Quem é do campo da saúde do trabalhador sabe que a NR 32 (segurança e saúde no trabalho em serviços de saúde) não foi criada ao caso. E o que fez Felipe Pereira Rocha, enfermeiro do Hospital de São Paulo? Acaba de obter o título de mestre pelo programa de pós-graduação da Fundacentro, com a pesquisa sobre absenteísmo no hospital onde trabalha. Os afastamentos por licença-médica dos profissionais de enfermagem do serviço onde Rocha trabalha foi objeto de seu estudo. “Meu interesse pelo absenteísmo-doença na enfermagem surgiu desde quando estava cursando a graduação”, diz. Para ele, a categoria, especialmente técnicos e auxiliares, se caracteriza por ser pouco valorizada em relação às outras que atuam em ambientes hospitalares.

Os desencadeadores das doenças no ambiente são muitos, como o trabalho em turnos, as condições de trabalho precárias, a má remuneração que gera a necessidade de dois ou mais empregos, a dupla jornada de trabalho, entre outros. Além dos fatores de riscos biológicos, químicos, físicos, ergonômicos e, principalmente, psicossociais que estão presentes nesses locais, gerando o adoecimento precoce e, consequentemente, ausência motivada por doença. “Nesse contexto, apesar da existência de um evidente perfil de morbidade na literatura científica utilizada, ainda são poucas as medidas de SST efetivas para a prevenção do adoecimento dessa área tão importante para a manutenção da vida dos pacientes atendidos”, afirma. Quais os principais achados da pesquisa do enfermeiro? Após o cálculo do índice de frequência de licenças médicas e de frequência de trabalhadores (da International Commission on Occupational Health) e índices de absenteísmo-doença (índice de duração do absenteísmo), observou-se que os índices de frequência de licenças médicas e os de frequências de trabalhadores tiveram um decréscimo ao longo dos três anos estudados. Contudo, quando se considera o índice de duração do absenteísmo, este se mostra muito superior, indicando maior cronicidade das ausências.

“Ao levarmos em conta o setor onde ocorre o maior número de dias de afastamento, o pronto-socorro de pacientes adultos, se destaca com um total 33,67% (5.009) dias de afastamento de um total geral de 14.878 dias, quando levado em conta o restante dos setores”. Essa informação mostra o setor de pronto-socorro como o ambiente de trabalho mais responsável pelo adoecimento dos profissionais da equipe de enfermagem e médica, principalmente, os auxiliares de enfermagem. Pudera, pronto-socorro é um local da “dor e do sofrimento” físico. Quem trabalha lá “contamina-se”.

Rocha entende que a pesquisa seja útil para contribuir com o debate e o fomento de estratégias acerca da prevenção da saúde e segurança dos profissionais em ambientes hospitalares, especialmente, dos encarregados do atendimento assistencial.“Um ambiente de trabalho mais humano e digno com seus fatores de riscos controlados ou, preferencialmente, eliminados podem transformar a atividade desempenhada como fonte de saúde e não de sofrimento e adoecimento”. A base de dados foi obtida por meio de uma análise documental das informações de absenteísmo-doença disponíveis no Serviço Especializado de Engenharia e Medicina do Trabalho (SESMT) do hospital. Esses dados foram obtidos in loco e estavam em livros manuscritos. Esses livros eram (são) alimentados diariamente por três oficiais administrativos, a partir dos prontuários individuais de todos os trabalhadores atendidos pelo médico do trabalho do SESMT com o registro das seguintes variáveis: data do atendimento, categoria profissional, setor de origem, dias de afastamento, diagnóstico médico conforme a CID-10 e médico responsável, sendo essas informações obtidas após as consultas médicas.

Por Emily Sobral

 

 

Trabalhadores da suinocultura não podem ser tratados como porcos nem porcos devem ser mal tratados

Atualmente, o Brasil é o quarto produtor mundial de carne suína, com mais de 3,3 milhões de toneladas. O sabor marcante e de elevado valor nutritivo fez da carne de porco tornar-se popular. Na suinocultura, os riscos ocupacionais concentram-se no manuseio de máquinas, exposição ao sol e calor, inalação de partículas e vapores dispersos no ar.

Obras da Copa resultaram em 12 mortes. E para as Olimpíadas, pode-se evitar?

As empresas de construção civil estão mais expostas aos acidentes com trabalhadores. Ao tomar conhecimento das estatísticas dos acidentes no setor, percebe-se claramente que as construtoras têm dificuldade de fazer o gerenciamento da segurança e saúde ocupacional. Uma das principais alegações é o perfil do trabalhador da construção civil, que não está apto a encampar a cultura de prevenção nem se cuida como deveria,

Cinco milhões de acidentes de trabalho no País em um ano. Tem-se agora o retrato (mais) real do problema

Recentes dados de Pesquisa Nacional de Saúde, do IBGE, indicam que, entre 2012 e 2013, cerca de cinco milhões de trabalhadores se acidentaram no País. Comparando com a única estatística oficial, que são as comunicações de acidentes de trabalho à previdência, o número do IBGE é seis vezes maior. A pesquisa em todo o território nacional também mostrou que os acidentes atingem 3,4% da população de 18 anos ou mais e chama a atenção para a incidência maior nas regiões Norte e Nordeste.

Monitorar ambiente de trabalho com avaliação de laboratório faz parte da boa gestão

As doenças ocupacionais derivam da exposição a agentes nocivos dos ambientes de trabalho, sejam químicos, físicos, biológicos ou ergonômicos. Daí, as análises ambientais são importantes na promoção da saúde laboral. São os laudos emitidos pelos laboratórios que permitem as medidas de controle, especialmente em espaços industriais. Para se fazer uma avaliação segura é necessário identificar os agentes causadores de danos aos empregados,

Lei dos motoristas de rodovias, mas será que ajuda muito?

A lei que regulamenta a profissão de motorista no Brasil já fez três anos. A introdução da limitação das horas de trabalho e o estabelecimento do período de descanso obrigatório não mudam muito a situação se não houver fiscalização, que é de responsabilidade da Polícia Rodoviária Federal. A lei assegura a motoristas rodoviários e de passageiros um descanso de 11 horas a cada 24 horas,

Substâncias de remédios podem provocar doenças

A fabricação de medicamentos é um processo industrial complexo, envolvendo pesquisa e desenvolvimento, produção e controle de qualidade dos produtos, aquisição de substâncias, armazenagem, distribuição e mão de obra qualificada (até porque garantir a eficácia dos medicamentos é condição sinequa non para a cura de pacientes que os utilizam). Por outro lado, a indústria farmacêutica convive com diversos riscos ambientais,

SST x RH, quem faz o quê? O importante é a política!

Há pouca conformidade quando o assunto é a quem deve ficar subordinado o Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (Sesmt), nas empresas. Muitas vezes, os Recursos Humanos absorvem os Sesmets. Mas cuidar de prevenção de acidentes e doenças do trabalho deve ou não ser atribuição de quem faz o controle dos empregados,

Terceiro Fórum Nacional sobre Riscos Ex, quer saber? Participe!

Há uma atmosfera Ex séria em ambientes e que será debatida num Fórum em novembro deste ano, em São Paulo. Não, não se trata de debate sobre Ex-marido, Ex-mulher ou Ex-namorados. Trata-se do setor Ex, que é como são tratados os temas relativos às Atmosferas Explosivas, ou seja, áreas industriais com risco de explosões. O III Fórum Nacional sobre Riscos de Explosões será promovido pela pela Project-Explo,

Cerest de Sorocaba: muitas atribuições em grande área de atuação

Todo lugar tem coisas boas e ruins. Sorocaba, interior de São Paulo, por exemplo, é referência nacional quando o assunto é mobilidade por bicicleta. É muito bacana poder ostentar esse atributo. Mas tem o lado ruim também, que é contar com um grande número de trabalhadores na informalidade na construção civil. Isso, sem dúvida, leva à desproteção do operário,