• Extingue
    Extingue
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg

Cerest de Vitória da Conquista, da Bahia. É um prazer conhecê-lo

Desde que foi lançado, este blog tem procurado todos os dias cumprir seu objetivo que é fazer análises honestas sobre a prevenção de acidentes do trabalho e doenças ocupacionais. Aqui, não dividimos empregados de empregadores, tratando os primeiros como coitadinhos e os segundos como mauzinhos. Cada agente econômico, representantes do capital e trabalho, tem sua parcela de responsabilidade no campo da saúde do trabalhador.

Mas, também neste espaço, quero dar nosso afago aos profissionais que exercem a função de assistência ao trabalhador, porque são eles que promovem ações para melhorar as condições de trabalho e qualidade de vida de quem labuta pela conscientização e vigilância. Dessa forma, este post inaugura a série de apresentação dos Centros de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest), localizados em inúmeros municípios brasileiros. É claro que quem é do meio conhece os centros, mas nem todos os leitores sabem das particularidades de cada um. Em função de minhas raízes nordestinas, abro a série divulgando o Cerest de Vitória da Conquista, na Bahia. Aberto na cidade baiana de Vitória da Conquista em 2003, o Cerest tem uma equipe de 15 servidores, coordenados por Bárbara Fernandes Santos Pinto, que é graduada em enfermagem. A equipe conta com médico do trabalho, assistente social, fisioterapeuta, psicóloga, técnico de enfermagem, três enfermeiros, técnico de segurança do trabalho, motorista, vigilante, auxiliar administrativo e recepcionista. As principais ocupações de trabalho da área de abrangência na cidade são dos setores industrial, agrícola e bancário. O que falta para que existam menos acidentes de trabalho no País? “Conscientização da população que trabalha e emprega, respeitando a área da saúde do trabalhador, sua importância quanto à prevenção e promoção da saúde, e o quanto de benefício pode trazer para a vida das pessoas, da economia e do ambiente de trabalho”, afirma Bárbara.

Por Emily Sobral

O Abril Verde deste blog. Este blog é um bebê precoce que, ao completar três meses hoje, já quer mudar de estilo. Aguardem as novidades no site que ocorrerão em abril

 

A educação em SST desde a infância é o que pode mudar no futuro o triste quadro dos acidentes de trabalho de hoje. Também a falta de saúde dos trabalhadores ocasionada pelos ambientes insalubres e estressantes precisa de um basta consciente. No post de hoje, volto ao tema da educação no campo da saúde do trabalhador.

Manicure é vulnerável às doenças ocupacionais

A atividade de manicure, tão presente hoje em dia, requer mais pesquisa e discussão, em especial sob o ponto de vista de saúde e segurança do trabalho. Quem não reconhece que a função cresce e dá sustento a milhares de manicures, chefes de famílias, deve viver em outro País. Em geral, as manicures são mulheres (nunca vi homem exercendo esse trabalho).

Descarte de EPI: uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa

Não é novidade para quem é profissional do campo da saúde do trabalhador que o uso de equipamentos de proteção individual (EPIs) é obrigatório, segundo a legislação trabalhista em sua Norma Regulamentadora 6 (NR6). É sabido também que um EPI só é considerado EPI se possuir o Certificado de Aprovação (CA), emitido pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Financiamento para todos, porque a prevenção de acidentes com máquinas deve vir em primeiro lugar

Uma máquina moderna, com processo de travamento automático e, por segurança, toda vedada. Com essa característica, o trabalhador nem consegue chegar próximo à lâmina de corte, ou seja, praticamente elimina o risco de acidentes de trabalho. O equipamento foi importado da Espanha e atende à norma de segurança e saúde do trabalho NR-12, que trata da segurança em máquinas e equipamentos e que sofreu alterações profundas.  

Novos extintores começam a valer em 1º de julho. Agora não é mentira!

Aos leitores que ainda não sabem que este blog também aborda temas sobre a proteção contra incêndio, ironizei num post anterior que o Contran (Conselho Nacional de Trânsito) tinha colocado como data limite para que os motoristas instalassem os novos extintores de incêndio tipo “ABC” nos carros o dia 1º de abril, consagrado como Dia da Mentira.

Já está chegando…

Entrou no ar o novo site do Abril Verde, depois de uma campanha bem-sucedida pelas redes sociais na internet. A ideia de que a prevenção das doenças ocupacionais e dos acidentes de trabalho precisa ser tratada como assunto de saúde pública já deixou de ser uma semente. Agora, o movimento encabeçado pelo Sindicato dos Técnicos de Segurança do Trabalho do Paraná (Sindespar) aguarda o mês de abril chegar,

Medicina do trabalho é elevada como especialidade. O mercado procura por mais profissionais

Uma das últimas conquistas dos médicos do trabalho no ano passado foi dada pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). A Portaria MTE nº 2.018/14, publicada em 23 de dezembro, reconheceu-a como especialidade e daqui para frente só tende a beneficiar a categoria. O documento alterou o texto da Norma Regulamentadora nº 4 (sobre Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho – SESMT),

Brucelose humana em frigoríficos ameaça trabalhadores. Participação em conselhos de saúde pode ser um passo à prevenção

Os trabalhadores das indústrias de alimentação, em especial frigoríficos, estão preocupados com a constatação de brucelose humana em frigoríficos do Paraná. Esse Estado ocupa o primeiro lugar no ranking nacional em número de trabalhadores do setor, com 76.375 pessoas. A doença é transmitida dos animais (bovinos, suínos, caprinos) para o ser humano, geralmente,

Agentes comunitários de saúde podem levar informação para prevenir doenças ocupacionais

Uma pesquisa no Instituto de Saúde Coletiva (ISC), da Universidade Federal da Bahia, que faz parte do programa integrado de saúde ambiental e do trabalhador, vai utilizar os agentes comunitários de saúde para difundir informações sobre as doenças ocupacionais e prevenção de acidentes de trabalho. A relevância deste estudo do engenheiro de segurança do trabalho e doutorando do ISC,