• Extingue
    Extingue
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg

Novo TLV-SL entra em vigor no Brasil para superfície em ambiente com agentes químicos

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Novo limite para avaliar se as superfícies de trabalho podem conter partículas ou pequenas quantidades de agentes químicos em indústrias (Foto Pixabay)

Para avaliar as condições ambientais em indústrias que utilizam produtos químicos, a gestão de segurança do trabalho deve realizar testes com instrumentos de medição. Mas, o ponto central dessa avaliação é conhecer quais os limites de tolerância para inúmeros agentes. O modo de inibir que os produtos usados no trabalho contaminem o trabalhador, pela pele ou via respiratória, a ponto de adoecê-lo é fazer uso das ferramentas, seguindo à risca a legislação que estabelece esses limites.

A norma regulamentadora 15 apresenta os requisitos de prevenção em atividades e operações insalubres, além de estabelecer esses limites. São os anexos 11, 12 e 13 da NR 15 que tratam especificamente dos agentes químicos. No Brasil, os aspectos técnicos relativos aos limites de tolerância são orientados, seguindo valores determinados pela American Conference of Governmental Industrial Hygienists (ACGIH), associação de higienistas industriais dos EUA. A própria NR 15 adota os padrões da ACGIH.

Para cada elemento químico existe um limite de tolerância (LT) e inspeção no local de trabalho. Como entidade internacional que estabelece os limites de exposição ocupacional às substâncias químicas, a ACHIH utiliza a sigla TLV ®, referência ao termo em inglês ThresholdLimitValue. Este ano entrou em vigor o TLV-SL, nova categoria de limites, para medir a superfície da área de trabalho a ser inspecionada. Essa categoria avalia se determinada superfície de trabalho pode conter algumas partículas ou pequenas quantidades de agentes químicos que, ao encostar na roupa, braços e mãos do empregado, possa contaminá-lo. Esse tipo de limite já praticado nos EUA chega agora no Brasil, para complementar os já estabelecidos ao prol da prevenção. A diferença desse limite está em sua unidade, que é dada em micrograma por cem centímetros quadrados. Isso significa que na amostragem dos agentes, o limite de superfície precisa ser delimitado em área de cem centímetros quadrados. Uma das formas de fazer a coleta é utilizar um pano umedecido ou ligar a bomba como se fosse um aspirador de pó para colher o agente químico. O limite TLV-SL deve ser incluído no documento do Programa de Prevenção dos Riscos Ambientais (PPRA).

Agora você pode ler este post também na PATISEG, portal digital de prevenção de acidentes de trabalho, incêndio e segurança eletrônica.

2 Comentários

  1. José Augusto da Silva Filho

    Ótima matéria Emily! Vou divulgar e multipilicar essa informação importante para a Higiene Ocupacional.
    Parabéns!!! Abraços

Deixe uma resposta



This blog is kept spam free by WP-SpamFree.