• Vakinha
    Vakinha
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg

Não se livre do pó, livre-se do risco de explosão por causa dele

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

silo-1476422_960_720
Risco de pós em armazéns (Foto Pixabay)

 

Explosão de poeira já causou várias tragédias no mundo e também no Brasil. Indústrias do agronegócio e instalações de armazenamento de grãos estão sujeitas a riscos de explosão. São os ambientes com as chamadas atmosferas explosivas. Muitos gerentes de indústrias não estão conscientes desse risco de explosão com pó fino.

Mas, inúmeros materiais orgânicos, como açúcar, farinha, amido, entre outros, sob determinadas condições, são verdadeiros combustíveis. Quanto menor for o tamanho da partícula, maior a possibilidade de dispersão e ignição. Além disso, o pó precisa estar suspenso no ar. A quantidade de poeira também define o risco de um sinistro explosivo. Com isso, fica claro que o tema de atmosferas explosivas em indústrias precisa de toda atenção por parte dos responsáveis pela segurança.  E, obviamente, para que se consiga definir a extensão do risco de cada local e investir em equipamentos de proteção e prevenção, deve-se contar com profissionais especializados em atmosferas explosivas ou áreas classificadas.

Certamente, desenvolver um projeto contra explosão em indústria não é para qualquer um. Um engenheiro especializado em áreas classificadas precisa ter um profundo conhecimento técnico e do arcabouço normativo para propor medidas específicas a cada caso. Voltando ao caso do pó, que em determinada quantidade pode tornar o ambiente suscetível à explosão, quem é capaz de saber se há poeira demais? Por exemplo, uma camada com menos de 1 mm de espessura em superfícies expostas pode ser considerada perigosa. Toda capacitação do especialista em prevenção de riscos de explosão é primordial, pois há um detalhamento técnico que só quem entende do riscado pode definir e propor alternativas. Apesar da inadvertência de muitos gestores industriais, a boa notícia é que o Brasil já evoluiu bastante quando o assunto é prevenção de risco de explosão. Há legislação e até normas de uso obrigatório, além de equipamentos certificados, exigidos para abastecer e proteger indústrias com atmosferas explosivas.

“Primeiramente, a classificação das áreas deve ser executada conforme as normas em vigor, que mostram os riscos, grau e extensão e, posteriormente, devem ser planejados os equipamentos de proteção e prevenção que precisam ser instalados no ambiente de risco”, explica Paulo Raña, engenheiro e representante da empresa espanhola ADIX, especializada na prevenção de explosões e proteção de pessoas e ativos.

 

7 Comentários

  1. Romulo Peres

    Todos aprendem muito com este blog, principalmente sobre áreas classificadas. Esse é um assunto muito sério, e esta é a única mídia que fala sobre isso.

  2. JC Lima

    Realmente muito interessante as considerações e as matérias anteriomente divulgadas. Tenho para mim que estas explosões são causadas pelas descargas eletro estáticas produzidas, salvo melhor juízo!
    Nós da Dinnteco temos uma solução para isto, entre outras aplicações, com nosso DDCE 100 que inibi a descarga de raios e o filtro Dinfil que suprimi as cargas eletro estáticas, evitando para sempre a descarga de raios, danos e explosões.
    Para maiores informações contatar pelo mail jclima@4gtrade.com.br

Deixe uma resposta



This blog is kept spam free by WP-SpamFree.