• Extingue
    Extingue
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg

Nanopartícula é tão pequena e com riscos tão incertos ao trabalhador

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

nano-technology-1486910__180
Nanopartícula (Foto Pixabay)

É preciso ficar claro que nem toda nova tecnologia é 100% do bem. Aliás, uma coisa não tem nada a ver com outra. A nanotecnologia, que é a capacidade de manipular materiais numa escala mil vezes menor do que o diâmetro de um fio de cabelo, deve ser vista com cautela. Até pode parecer uma invenção bastante benéfica ao ser humano quando, por exemplo, a nanotecnologia é utilizada para levar medicamentos a células cancerígenas, impedindo que as saudáveis sejam atingidas.

Também, recentemente, cientistas brasileiros criaram nanopartículas que podem inativar o HIV. Porém, o avanço das nanopartículas utilizadas no mundo e no Brasil, como matéria prima nos diversos setores econômicos, requer ainda total desconfiança. Mas será que estou sendo antiga e atrasada, criticando uma tecnologia que pode revolucionar os padrões produtivos? Não, caro leitor! Aqui, como nosso papo é com a saúde e segurança dos trabalhadores, sugiro que a nanotecnologia seja vista com o pé atrás.

Mas, reconheço que não posso inferir de forma taxativa sobre os riscos da nanotecnologia. O que faço é colocar o assunto em pauta e trazer o que diz a pesquisadora da Fundacentro, Arline Arcuri, coordenadora do projeto de pesquisa da entidade sobre nanotecnologia: “Os investimentos em estudos toxicológicos nessa área ainda são precários”, afirma Arcuri. A falta de pesquisa mostra que não se conhece ainda quais os efeitos da manipulação por trabalhadores desses materiais em escala nanométrica. Ora, se as doenças tradicionais, como, por exemplo, a dermatose ocupacional, ainda encontra dificuldade para se estabelecer o nexo entre a lesão de pele e a atividade profissional, suponha uma patologia qualquer que atinja o trabalhador que manipula as nanotartículas!

Arcuri argumenta: “Hoje, já é difícil o médico reconhecer uma doença ocupacional, mesmo na indústria química, que utiliza produtos tóxicos sabidos há mais de 100 anos, como é o caso de benzeno, imagine as novas doenças que poderão começar a aparecer por causa dos produtos da nanoescala, se nem o médico nem o trabalhador sabem que a indústria mudou a escala do produto. Na verdade, há grandes incertezas quanto aos possíveis efeitos da nanotecnologia sobre a saúde do trabalhador”, afirma. O que se sabe é que elas têm um comportamento muito diferente do mesmo material em escala maior, e os próprios cientistas ficam surpreendidos pelas propriedades que são descobertas. Quando se fala em nanotecnologia aplicada a cada tipo de indústria, pode-se imaginar que cada tipo de produto corresponde a um risco completamente diferente. Segundo ela, na indústria de plástico, o sistema de exaustão existente como proteção coletiva é ajustado aos polímeros em escala normal, para proteger do material particulado que prejudica a saúde. No entanto, esse mesmo sistema de exaustão não será suficiente para proteger o trabalho com as nanopartículas, que sequer são visíveis. “Estudos mostram que algumas nanopartículas entram no corpo, e o sistema imunológico não é capaz de reconhecer que algo agressivo entrou”, conta. Nesse momento de incerteza e poucos investimentos para conhecer os efeitos toxicológicos da nanotecnologia, Arcuri sugere que o trabalhador adote o princípio da precaução: “Quando não se tem certeza absoluta de que o produto não é perigoso, deve-se fazer todo o possível para não ter contato com ele”, diz. Bem, o problema está posto. Entendo que a solução será por meio de pesquisa e do interesse isento e em prol da saúde do ser humano.

 

7 Comentários

  1. Marcelo Henrique Sorocaba

    Existem pesquisas que mostram o potencial poluente das nanopartículas e como elas podem podem afetar o meio ambiente e a saúde humana numa escala bem perigosa. Parabéns pela matéria.

  2. Maria Elvira

    Os dermatologistas estão preocupados com algumas nanopartículas utilizadas em cosméticos que podem penetrar na pele e entrar na corrente sanguínea. É preocupante mesmo!

  3. Genivaldo Calais

    Acho um tema complexo e ainda novo. É preciso haver mais divulgação sobre pesquisas e pesquisadores, além dos da Fundacentro.

  4. Salles Junior

    Nào devemos demonizar a nanotecnologia pois ela é uma das áreas mais promissoras da medicina moderna. Nem por isso devemos deixar de ter cautela, pois existem efeitos nocivos como tudo nesse mundo de deus.

Deixe uma resposta



This blog is kept spam free by WP-SpamFree.