• Vakinha
    Vakinha
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg

Marceneiro solitário

É claro que não vou confundir alho com bugalho, mas, às vezes, me pego pensando que se, em grandes indústrias que possuem um serviço especializado em engenharia e medicina do trabalho, as doenças e os acidentes de trabalho acontecem, imagine com o trabalhador informal e autônomo? Ele até pode ser livre, leve e solto, mas, à margem da formalidade, estará mais vulnerável aos agravos à saúde do que o profissional regido pela Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT).

Uma coisa é inegável: em todas as atividades, o profissional deve ter, no mínimo, noção básica dos riscos aos quais está exposto. Por que lembro isso? Por causa do marceneiro, um trabalhador – artista da madeira, que ainda é requisitado por clientes que desejam móveis ou similares personalizados. Pois é… Como este blog é divulgador da prevenção de acidentes de trabalho, vou falar dos riscos da atividade de marcenaria. As ferramentas de trabalho do marceneiro, entre as principais, como serrote, formão, martelo, desbastador e lâmina, podem ocasionar ferimentos diversos. O uso inapropriado é o que mais leva ao acidente. O serrote sem uma afiação pode levar a ocorrências desastrosas, bem como a execução da atividade de maneira acelerada. Sem afiação adequada, o marceneiro precisa de mais força para trabalhar. Parafusos soltos no cabo do serrote é perigo na certa. Também formão e plainas devem ser bem amolados. A técnica inadequada igualmente pode levar a acidentes. Talhar o formão com o martelo é um erro usual entre os marceneiros, não por falta de domínio da arte, mas, por vezes, pela pressa em adiantar o trabalho. Falta de atenção no uso de estilete, juntamente com a utilização da régua imprópria é outra ação insegura. Concentração na atividade do marceneiro é palavra-chave. Excesso de confiança, aliado à falta de atenção leva a um risco desnecessário ao marceneiro. Quanto aos equipamentos de proteção individual, nem é preciso falar. São necessários, mas já vi muito marceneiro executando suas atividades sem luvas. Essas devem ser de raspa para manuseio de madeira bruta. Ao lidar com tintas e químicos, o ideal é usar a luva de látex. A máscara de proteção respiratória deve ser utilizada por causa das tarefas de raspagem e lixamento da madeira. Essas são minhas dicas aos mestres artistas da madeira!

Por Emily Sobral

4 Comentários

  1. Cláudia

    Poxa, Emily, já fiquei sabendo de acidente com marceneiro. O cara entendo de marcenaria, mas às vezes, por causa da pressa, termina sofrendo acidente. Sempre bom bater nessa tecla.

  2. Diego

    O risco faz parte de qualquer atividade, cabe ao profissional minimiza-lo, tanto o trabalhador CLT como o autônomo são guiados entre outras coisas por ignorância e lucro

  3. nilza

    Gostaria de salientar entre seus comentários que RISCO se refere a FÍSICO QUÍMICO BIOLÓGICO e incluímos por ser inerente a todas as atividades os riscos Ergonômico e Acidente, sendo FÍSICO – RUÍDO FRIO E CALOR, QUÍMICO- Poeira dependendo do ambiente, manter arejado, produtos usados na pintura tintas, solventes e Ergonômico, postura inadequada e repetividade já Acidentes todo maquinário e equipamentos utilizados, ou outras situações de acidentes………..

Deixe uma resposta



This blog is kept spam free by WP-SpamFree.