• Vakinha
    Vakinha
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg

Ir às alturas com segurança

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Há ícones em todos os setores produtivos. Os elevadores em canteiros de obras, por exemplo, é um. No entanto, mais do que ser uma imagem que representa trabalho, produção e evolução de um empreendimento, esse equipamento de transporte vertical precisa ser seguro. Não se pode esquecer o quanto a construção civil ainda acidenta e mata trabalhadores no País. Com isso, o uso de elevadores em canteiros de obras atende as exigências das normas regulamentadores, em especial da NR 18, norma de segurança e saúde do trabalho na construção civil.

São dois os tipos de equipamentos hoje existentes nos canteiros de obras: a cabo de aço ou de cremalheira. Ambos devem obediência às normas. O elevador com tração a cabo ocupa mais espaço na instalação do canteiro, enquanto o elevador de cremalheira, com mais tecnologia, ocupa um espaço menor. Sua instalação precisa contar com projetos da base, da torre e das ancoragens com a respectiva Anotação de Responsabilidade Técnica (ART), além de comprovação de registro junto ao CREA do fabricante ou locador e do responsável técnico e trabalhadores qualificados para realizar a montagem do equipamento. Deve-se ainda, pensando no fator segurança, levar em conta a manutenção periódica.

Recentemente, portaria do governo inseriu na NR 18 nova redação com outros itens com relação a esses equipamentos. Apesar de não proibir o uso dos elevadores a cabo nas obras, a NR 18 promoveu alterações para que esses equipamentos atendam aos aspectos de segurança. Ou seja, a nova regra obriga a inclusão de sistema eletromecânico para acionamento de freio. Também, desde o ano passado, ambos os tipos de elevadores passaram a atender os requisitos de fabricação da norma NBR 16.200, referentes a elevadores de canteiros de obras para pessoas e materiais com cabina guiada verticalmente e requisitos de segurança para construção e instalação. O uso de elevadores tracionados a cabo para transporte de passageiros passou a ser vedado, à exceção dos equipamentos que cumpram todos os requisitos técnicos constantes da norma técnica ABNT NBR 16.200:2013 e das disposições contidas nos demais itens da própria NR 18. A norma estabelece ainda que o operador de elevador precisa ter ensino fundamental completo, treinamento específico no equipamento, com carga horária mínima de dezesseis horas com atualização anual mínima de quatro horas, para ter a qualificação necessária. É ele o responsável para operar, dar suporte a quem utiliza e solicitar a manutenção dos elevadores. Afinal, é preciso manter esse ícone no alto.

2 Comentários

  1. Walter

    Belo assunto abordado. Seria legal falar sobre o profissional legalmente habilitado para este trabalho de inspeção e manutenção Emily, que é o engenheiro mecânico, que deve possuir muito conhecimento no assunto. Nem todos podem fazer esta inspeção e apenas emitem uma ART, que fica na gaveta, sem serem cumpridos os planos de manutenção dos itens essenciais que garantem a boa operação do equipamento.

Deixe uma resposta



This blog is kept spam free by WP-SpamFree.