• Extingue
    Extingue
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg

Explosão em indústrias: é possível evitar

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

copersucar-18-10-2013-ii
É possível evitar explosão em plantas industriais

Pode parecer um exagero, mas não são esporádicas as explosões em indústrias no mundo e no Brasil. A ocorrência é bem mais comum do que se possa imaginar. Uma planta petroquímica ou mesmo um armazém de estocagem de grãos mantém constante risco de explosão e incêndio, em função das altas temperaturas e pressões, da presença de pós combustíveis, bem como da deterioração de tubulações e máquinas.

Recentemente, as atividades na unidade da Indústria de Material Bélico do Brasil (Imbel) de Juiz de Fora (MG), foram suspensas, após a explosão e incêndio de um paiol. Houve danos materiais na empresa e em estabelecimentos próximos. O paiol, que concentrava munições, foi totalmente destruído. Também um depósito de material químico foi destruído. Instalações que abrigam materiais combustíveis, em caso de sinistro, propagam o fogo com rapidez, colocando a vida de trabalhadores em risco. No caso da Imbel, a sorte foi que a explosão não ocorreu durante a jornada de trabalho, pois haveria vítimas.

Mais do que blábláblá dos responsáveis, depois que o sinistro acontece, as empresas precisam tomar medidas de segurança prévias e necessárias, cumprindo rigorosamente a legislação e os requisitos técnicos para evitar explosões em áreas classificadas.

Sabe-se que a origem da explosão está nas Atmosferas Explosivas (ATEX), resultante de inúmeros fatores, como vapores ou névoas liberadas em inúmeros processos produtivos.

No caso das poeiras do armazenamento de grãos, que ficam em suspensão em silos, sua combustão ocorre na presença de fontes de ignição e oxigênio, conhecido com o triângulo do fogo. Há ainda as atmosferas híbridas derivadas das operações de acabamento ou correção de peças, contendo vapores inflamáveis e poeiras combustíveis.

A vulnerabilidade existente em instalações industriais levou ao desenvolvimento da técnica conhecida como ‘áreas classificadas’, que permite avaliar, por especialistas, a probabilidade de ocorrência de uma mistura explosiva e determinar sua extensão.

Além disso, a proteção contra explosão em sistemas de produção, armazenamento e distribuição deve contar com equipamentos elétricos específicos (Ex), o que reduz a possibilidade de altas temperaturas, arcos e centelhas em seu interior e exterior, diferentemente dos materiais normais.

Para um correto diagnóstico e medidas de prevenção, o consultor especializado em classificação de áreas para atmosferas explosivas deve e pode contar com a ajuda de profissionais ligados à operação industrial, que poderão oferecer subsídios para a execução do projeto de proteção.

“É preciso conhecer como é feita a manutenção dos equipamentos, a cultura de comportamento operacional e industrial, possibilitando a melhor relação entre custo e benefício nos projetos de prevenção em áreas classificadas”, afirma Paulo Raña, engenheiro e representante da empresa espanhola ADIX, fabricante de produtos com tecnologia contra atmosferas explosivas. Raña ressalta que, quanto mais houver a divulgação dos riscos de explosão e a participação de equipes interdisciplinares, mais acertada será a proposta de segurança em plantas industriais.

 

6 Comentários

  1. Romulo Peres

    A execução correta de um projeto de proteção em áreas classificadas é muito importante, mas se o empresário não fizer a manutenção adequada, tudo pode ir pelos ares.

  2. Jandira Freitas

    com o ‘triângulo do fogo’ não se brinca. O alerta você dá toda a semana. gestor responsável faz o que precisa ser feito.

Deixe uma resposta



This blog is kept spam free by WP-SpamFree.