• Extingue
    Extingue
  • Instituto Treni
    Instituto Treni
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg

É possível livrar-se das doenças osteomusculares, que tanto afastam trabalhadores

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

As doenças musculoesqueléticas precisam ser prevenidas (Foto Pixabay)

As doenças musculoesqueléticas (DMEs) recorrentes resultam em muitos afastamentos de trabalhadores por queixas ortopédicas e geram prejuízos às empresas, que precisam repor a força produtiva. As DMEs são a principal causa da incapacidade e do absenteísmo de assalariados, seja qual for a base de dados analisada do Anuário Estatístico da Previdência Social às pesquisas de consultorias de gestão em saúde.

De acordo com a Associação Internacional de Promoção da Saúde no Ambiente de Trabalho, em 2016, foram concedidos 415.846 benefícios acidentários e previdenciários relacionados a doenças osteomusculares, superando em muito a segunda causa de afastamento, as doenças mentais. As dores lombares foram o maior motivo de faltas de empregados no País: somente no primeiro trimestre de 2016, registraram-se mais de 24 mil afastamentos, segundo dados da Previdência Social. A licença médica por conta de problemas na coluna resultou num atestado médico a cada 5 minutos. Não é bolinho, não. Em toda categoria e atividade profissional os trabalhadores sofrem com as queixas, sejam digitadores, vendedores, motoristas e atendentes de telemarketing também estão sujeitos a dores nas costas, nos quadris e nos joelhos.

Segundo Ricardo Lobão, presidente da consultoria de gestão UIB Benefícios, um levantamento realizado entre janeiro de 2015 e dezembro de 2016, com 456.000 usuários de planos de saúde, mostrou que houve um aumento de 52% no número de consultas por problemas de dores nas costas e 27% por desconforto nos joelhos. Além disso, as cirurgias na coluna cresceram 79% de um ano para o outro. Diante desse quadro, a orientação às empresas é adotar uma política de “intervenção médica precoce”, para dificultar que os casos tornem-se crônicos ou graves. Os trabalhadores também devem manter um estilo de vida saudável, combatendo o sobrepeso e o estresse.

Finalizo: de acordo com a Associação Nacional de Medicina do Trabalho (Anamt) entre as principais razões dos distúrbios musculoesqueléticos estão a postura inadequada, a pressão emocional e o frio do ar-condicionado, que leva às contraturas musculares. Lembra Antônio Carlos Campanini, médico da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp): “O corpo humano não foi feito para ficar parado”. Concordo plenamente.

 

3 Comentários

  1. Regina Maria Bernardes

    Para afastar as DMEs, nada como 10 minutos de alongamento duas vezes por dia. As empresas que adotam esse método não se arrependem e os funcionários agradecem.

  2. LM

    Olha que interessante o relato na ANAMT no texto, o risco “físico” frio do ar condicionado interferindo em doenças osteomusculares de risco “ergonômico”!

Deixe uma resposta



This blog is kept spam free by WP-SpamFree.