• Vakinha
    Vakinha
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg

Como acabar com explosões em áreas classificadas

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

explosion-147909_960_720
Prevenção contra explosão é a melhor saída (Ilustração: Pixabay)
DSC01319
Paulo Raña, da ADIX

No Brasil, a segurança e o ambiente de trabalho de milhares de empregados estão sob risco de explosão, porque medidas de prevenção e proteção em áreas classificadas não são tomadas. Esses locais contêm atmosferas explosivas ou inflamáveis por conta da presença de gases, vapores, poeiras ou fibras.

Exemplos de indústrias com áreas classificadas? Basicamente, as refinarias de petróleo e plantas de processamento de óleo e gás, áreas de abastecimento de combustíveis e hangares de aviões em aeroportos, minas subterrâneas de carvão e centros de distribuição de gás combustível. Mas há ainda outros setores que também podem ir pelos ares, como armazéns de grãos, silos e indústria alimentícia, refinarias de açúcar e álcool e plantas industriais de tratamento de esgoto. No País, o grande problema é a desatenção e o desconhecimento por parte dos responsáveis e empresários sobre um sinistro como esse.

Digo mais, a questão é complexa sim, tanto que a segurança industrial contra explosão não se resume aos materiais, peças, dispositivos e sistemas destinados à aplicação em instalações elétricas de ambientes com atmosferas potencialmente explosivas. Antes de tudo, os riscos em instalações industriais precisam ser mapeados por profissionais capacitados e qualificados.

Sabemos que há todo um arcabouço normativo técnico e legal para ser atendido em relação aos requisitos de escolha dos tipos sistemas, de instalação e de manutenção desses equipamentos. Todo o sistema de proteção de uma área classificada deve ser Ex, ou seja, anti-explosão. Com isso, equipamentos, empresas de prestação de serviços e também competências profissionais na área de atmosferas explosivas fazem parte de exigência normativa. Apenas os especialistas em áreas classificadas estão preparados para averiguar se num determinado local há risco de formação de atmosferas explosivas.

Entre outras medidas, o profissional pode avaliar se há como evitar a formação dessa atmosfera, diagnosticando a necessidade ou não do uso do produto inflamável. Se for o caso, a substância pode ser substituída por outra que não crie uma atmosfera explosiva. Outra possibilidade é baixar o nível de oxigênio em equipamentos de processamento, em locais onde não há trabalhadores. Mas, por vezes, não há como evitar o surgimento de uma atmosfera explosiva, então, busca-se eliminar as fontes de ignição ou aplicar equipamentos dentro das especificações normatizadas, utilizadas em diversas tecnologias, como a pressurização ou diluição contínua. Além disso, deve-se sugerir medidas construtivas em relação às fontes de ignição, como, por exemplo, o encapsulamento dessas fontes.

“Se houver um trabalho contínuo de gestão de riscos em áreas classificadas para assegurar que as atividades relacionadas com o ciclo total de vida dessas instalações Ex estão de acordo com os requisitos técnicos das normas, será possível pensar em efetiva segurança para trabalhadores e ambientes industriais”, afirma Paulo Raña, engenheiro e representante da empresa espanhola ADIX, fabricante de produtos com tecnologia contra atmosferas explosivas. Raña alerta ainda que os acidentes com atmosferas explosivas podem envolver perdas de vidas humanas, destruição de prédios industriais e até danos nocivos ao meio ambiente.

Reunião na África do Sul

Termina amanhã (9), em Durban, na África do Sul, o encontro do IECEx, Sistema da IEC para a avaliação da conformidade durante o ciclo total de vida das instalações Ex. Com abertura na segunda-feira (5), durante as reuniões vêm sendo discutidos temas relacionados com a elaboração, evolução e aperfeiçoamento dos sistemas internacionais de certificação Ex, sob o ponto de vista de segurança do ciclo total de vida das instalações Ex. O Brasil enviou uma delegação, composta por fabricantes de equipamentos Ex, organismos de certificação, laboratórios de ensaios, provedores de treinamentos, associações e usuários brasileiro de equipamentos e de instalações elétricas e mecânicas Ex.

 

5 Comentários

  1. Romulo Peres

    O barato sai caro! A forma mais segura e econômica de evitar explosões em áreas classificadas é entregar a gestão de riscos a uma equipe de profissionais especializados.

Deixe uma resposta para João Amâncio Cancelar



This blog is kept spam free by WP-SpamFree.