• Vakinha
    Vakinha
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg

Capacitar os envolvidos com atmosferas explosivas tem de ser ‘de verdade’

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

É leitores….

O treinamento nas empresas serve para ampliar as habilidades dos trabalhadores. Assim, essa prática é um investimento, não um custo. Quando se trata de capacitar empregados, deve-se fazer uma reflexão estratégica, que merece toda a atenção da companhia. Para as indústrias que processam substâncias inflamáveis, sejam gases, valores ou poeiras combustíveis, o treinamento, antes de tudo, é sinônimo de segurança. Chego ao ponto. Em áreas classificadas, há zonas ‘classificadas’ que indicam a quantidade de mistura explosiva dentro da instalação. Com a norma regulamentadora 10 (segurança em serviços de eletricidade), as empresas viram-se obrigadas a treinar pessoal na área de instalações elétricas em atmosferas explosivas.

A capacitação é bem-vinda e necessária, mas além de contratar o treinamento, é preciso que este seja de excelente padrão.  Os cursos de NR 10 para os profissionais envolvidos com atmosferas explosivas não podem ser para ‘inglês ver’, apenas por serem obrigatórios. Indústria que contrata qualquer treinamento apenas para dizer que cumpriu a legislação não está sendo estratégica, mas burra.

Capacitar com qualidade as equipes que lidam com a segurança de locais com probabilidade de explosão é impedir que sinistros destruam patrimônios e vidas de trabalhadores. Se há ou não o fator compulsório de realização dos cursos pela NR 10, que se aproveite esse item para oferecer o melhor curso aos profissionais, não é mesmo? Pagar menos por um curso sobre instalações elétricas voltado às atmosferas explosivas achando que está sendo esperto, na verdade, é sinal de que falta visão de segurança por parte da direção da companhia. Nessa área, o importante é ater-se às particularidades. Por exemplo, olhar os parâmetros para a contratação de cursos de NR 10 é crucial, bem como observar o currículo dos instrutores, é uma boa forma de seleção do instrutor, capaz de transmitir informações de qualidade. Outro critério de contratação para os ambientes Ex é verificar se o orientador entende das ferramentas do conceito ‘intrinsecamente seguro’, projetadas para evitar a liberação de energia suficiente para a ignição de materiais inflamáveis. Contratar profissionais altamente capacitados é uma forma inteligente de lidar com as atmosferas explosivas presentes em diversas áreas das indústrias de transformação.

Aproveito o tema do post de hoje para divulgar cursos para envolvidos com instalações elétricas e de instrumentação em atmosferas explosivas. No Senai de Santos (SP), estão abertas as inscrições para novo curso sobre instalação e manutenção de equipamentos elétricos em atmosferas explosivas. Com carga horária de 60 horas, as aulas vão de 25 de maio até 29 de junho, contendo atividades teóricas e práticas. O curso destina-se a qualificar profissionais para atuar nas indústrias de Petróleo & Gás, Química & Petroquímica, Açúcar & Álcool.

Também o Senai, em Benfica, no Rio de Janeiro, está oferecendo um curso sobre Noções de Instalações Elétricas e de Instrumentação em Atmosferas Explosivas. O curso apresenta os requisitos básicos relacionados às áreas classificadas, atmosferas explosivas, princípio de proteção, equipamentos e instalações Ex.

Aos que atuam nas áreas de instalação elétrica ou instrumentação nas indústrias que possuem áreas classificadas, tais como o setor de petróleo, gás, química, petroquímica, sucroalcooleira, de alimentos, portuária e farmacêutica, o treinamento abordará as normas técnicas da série NBR IEC 60079.

“Realmente, é importante que os profissionais que lidam com as atmosferas explosivas tenham acesso às informações e atualizações de qualidade. De nada adianta fazer um treinamento em que o único objetivo seja o de obter o certificado. A qualificação das competências pessoais para a realização de atividades em áreas classificadas é coisa séria”, diz Paulo Raña, engenheiro e representante da empresa espanhola ADIX, especializada na prevenção de explosões e proteção de pessoas e ativos.

6 Comentários

  1. Felipe Alcântara

    quem é do ramo sabe que esta área tem grandes deficiências em formação. Há aventureiros que ariscam a vida de pessoas, o que é muito grave.

  2. Reginaldo Lourenço

    capacitação e conscientização são as duas coisas mais importantes para os profissionais da área de atmosferas explosivas

Deixe uma resposta



This blog is kept spam free by WP-SpamFree.