• Extingue
    Extingue
  • Instituto Treni
    Instituto Treni
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg
  • Santista
    Santista

Ansiedade: sem roer as unhas no trabalho

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Efeitos nocivos da ansiedade (Foto Pixabay)

A ansiedade das pessoas, especialmente no ambiente laboral, pode comprometer as relações de trabalho. Por exemplo, um chefe ansioso, que cobra desesperadamente o cumprimento de uma tarefa do subordinado, é de pirar o cabeção. O empregado exigido pela ânsia do seu superior pode desenvolver, no mínimo, um mal-estar emocional. Por sua vez, o patrão ansioso que não sabe construir um ambiente de trabalho harmonioso também colherá desassossego mental.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil é campeão de ansiedade, com mais de 9% da população tendo esse distúrbio. E as mulheres são as mais atingidas, com o dobro dos homens.  São tempos modernos cheios de maravilhas, mas que têm como efeito colateral a ansiedade, relacionada às preocupações e ao medo de que as coisas não saiam como gostaríamos. Emoções que podem até ser consideradas normais, mas que quando se tornam excessivas podem se transformar em doenças.

O distúrbio de ansiedade, que tem como sintomas a falta de ar, dor no peito e sentimentos de que algo muito ruim está na iminência de acontecer, pode levar ao afastamento do trabalho. A ansiedade age a partir do sistema nervoso autônomo e funciona como uma resposta do corpo a situações de estresse. É ela, por exemplo, que nos faz reagir e nos estimula a fugir ou lutar quando nos sentimos ameaçados. A ansiedade é um sentimento adaptativo ao medo e à raiva, é um medo desconcertante em que não há um objeto claro.

Como identificar o transtorno da ansiedade? Entre os principais sintomas estão o medo excessivo, a falta de controle, taquicardia, palpitações e tremores, e durante as crises também é comum sentir uma pressão forte no peito e uma sensação de que o ar está acabando. Alguns pacientes relatam ainda formigamento e a sensação de que estão se afogando, como consequência há um aumento da temperatura corporal e o suor excessivo. Não há exames para diagnosticar a doença, o que só pode ser realizado por um médico, e o tratamento deve ser feito por meio de terapia ou uso de medicamento. Na terapia, busca-se estimular a mudança dos pensamentos e a forma de lidar com a situação, e a outra opção é a parte biológica, com as medicações.

Muitas vezes, o gatilho está nas chamadas fobias específicas, mais comuns nos pacientes do sexo feminino. Por exemplo, medo de aranha, de locais fechados, altos, e diversos distúrbios fazem parte dos transtornos ansiosos. A ansiedade não tem cura e se não for tratada de forma correta pode evoluir para outras doenças. Estudos mostram que um em cada quatro pacientes com ansiedade pode desenvolver depressão.

A prática de esportes ou atividade física é aliada no combate a doença, pois funciona como válvula de escape. Vamos à respiração cachorrinho…

Agora você pode ler este post também na PATISEG, portal digital de prevenção de acidentes de trabalho, incêndio e segurança eletrônica.

Um Comentário

  1. Vânia Lopes

    A ansiedade é resultado da pressão sofrida pelos trabalhadores. É preciso respeito ao empregado. Os aspectos psicológicos devem ser vistos como importantes, porque a produtividade depende do bem-estar das equipes laborais

Deixe uma resposta



This blog is kept spam free by WP-SpamFree.