• Extingue
    Extingue
  • Instituto Treni
    Instituto Treni
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg

Alojamento: longe de casa e perto do emprego, com segurança e dignidade

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Alojamento deve ser digno aos trabalhadores (Foto Pixabay)

No País, há setores produtivos como engenharia civil, de grandes obras de infraestrutura, construção de hidrelétricas, linhas de transmissão e plataformas de petróleo que são executadas afastadas dos centros urbanos e até mesmo em locais inóspitos, podendo levar meses e anos para serem concluídos. Com isso, do projeto à execução, a empresa responsável pelo empreendimento precisa manter sua equipe de operários próxima do ambiente laboral. Ou seja, para facilitar o serviço, determinadas empresas precisarão manter, provisoriamente, o alojamento que servirá ao descanso dos empregados. Nesse caso, não há desespero, pois basta o empregador seguir a legislação sobre o fornecimento desses espaços.

A norma regulamentadora 24 (NR 24), que dispõe sobre as condições sanitárias e de conforto nos locais de trabalho, do Ministério do Trabalho, prevê que o alojamento seja construído atendendo alguns requisitos, pois é destinado ao repouso dos operários. Segundo o texto da NR 24, a capacidade máxima de cada dormitório é de 100 trabalhadores. Já sobre as especificações técnicas e disposição dos ambientes, a norma estipula que os espaços devem ter um pavimento, podendo ter, no máximo, dois pisos quando a área disponível para construção for insuficiente.  As paredes podem ser construídas em alvenaria de tijolo comum, concreto ou madeira. O local deve ter área de circulação interna nos dormitórios com largura mínima de um metro. As camas disponibilizadas devem ser de estrutura metálica ou madeira, desde que proporcionem perfeita rigidez.

E, para a prevenção de acidentes, a instalação de eletrodoméstico, como fogões e similares, é proibida nos dormitórios do alojamento. Ao seguir a norma, a empresa proporciona alojamentos dignos aos trabalhadores. Ninguém está obrigando o empregador a oferecer luxo, não é mesmo?

Agora você pode ler este post também na PATISEG, portal digital de prevenção de acidentes de trabalho, incêndio e segurança eletrônica.

2 Comentários

  1. Gleyci Mendes

    Tema muito relevante, pois esses trabalhadores já sofrem com a distância de casa e de suas famílias. Que pelo menos descansem em locais decentes.

  2. Gerônimo Santos

    Ah, no papel tudo é lindo. Mas construtura de meia tigela não dá nem EPI vai oferecer alojamento com camas como o da foto deste post. é brincadeira…

Deixe uma resposta



This blog is kept spam free by WP-SpamFree.