• Extingue
    Extingue
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg

Acidentes na operação de empilhadeiras poderiam ser evitados

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Para operar uma empilhadeira é preciso ser capacitado (Foto ilustrativa Pixabay)

É claro que eu poderia escrever sobre SST, apenas sob o enfoque da prevenção, sem citar os acidentes propriamente ditos. Assim estaria me poupando de fatos com sangue, e aos leitores também. Mas como abordar a segurança na operação de empilhadeira, por exemplo, sem mencionar ocorrências em que a falta de procedimentos e capacitação no uso do equipamento geraram tristes tragédias?

Vamos aos fatos mais recentes: em agosto, um jovem de apenas 19 anos morreu depois de ficar debaixo de empilhadeira, em Franca, interior de São Paulo. O trabalhador ficou preso sob uma empilhadeira que manejava em frente a um autopeças do bairro Conceição Leite. Segundo relato da Polícia Civil, ele se dependurou sob a esteira, e ela desabou em seu tórax. Preso debaixo da máquina, o jovem foi auxiliado por funcionários e colegas de trabalho. O resgate foi acionado, que o conduziu até o Pronto Socorro, mas ele já chegou sem vida.

Agora, vamos às relevâncias sobre o equipamento que conduzem à prevenção de acidentes. Veículo propulsionado por energia mecânica, elétrica ou manual, a empilhadeira incorpora mecanismo que eleva e transporta grandes volumes, por meio de garfos, plataformas ou outros acessórios. Utilizada dentro de indústrias, a empilhadeira é fabricada nas mais variadas formas, capacidades e pesos, desde uma até 80 toneladas. Hoje, esses ‘veículos’ adaptaram-se às várias necessidades da indústria, e muitos contêm conjuntos especiais para carregar diversos itens.

Logicamente, por ser um equipamento de transporte em atividades laborais, conduzido por um trabalhador, é essencial que este esteja qualificado e treinado para conduzir as cargas. Há regras específicas que visam à segurança dos operadores, que estão previstas na norma regulamentadora 11, que estabelece os requisitos mínimos de segurança para operação de elevadores, guindastes, transportadores industriais e máquinas transportadoras.

Ora, as empilhadeiras são perigosas, tanto para os operadores como para funcionários que estão trabalhando próximos à sua circulação. Entre as principais causas de acidentes com empilhadeiras estão a falta de treinamento dos empregados que têm a função de operá-las, manutenção inadequada, manobras indevidas, uso inadequado dos freios nas manobras, portas obstruídas, excessivo tráfego na área, iluminação insuficiente etc.

É inexplicável que acidentes com empilhadeiras ainda aconteçam, uma vez que a área de segurança do trabalho das indústrias é obrigada a manter e orientar os procedimentos corretos de segurança. Ah, sim, todas as tragédias envolvendo empilhadeiras devem ser investigadas, para que jovens não morram tão precocemente como o caso envolvendo o trabalhador que abre este post.

2 Comentários

Deixe uma resposta



This blog is kept spam free by WP-SpamFree.