• Vakinha
    Vakinha
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg

A falta que faz o fisioterapeuta do trabalho

A indústria já abriu as portas, especialmente no ramo metalúrgico e frigorífico, ao fisioterapeuta do trabalho. O excesso de horas seguidas de labuta e os ambientes laborais pouco ergonômicos geram o distúrbio osteomuscular por esforço repetitivo, conhecido por lesão por esforço repetitivo (LER). Segunda maior causa de afastamentos no trabalho no País, a LER não é brincadeira porque atinge a grande maioria de quem trabalha no Brasil. Logo, é natural que as empresas dos diversos ramos, independentemente da obrigatoriedade da lei, comecem a contratar o profissional mais qualificado para tratar desse mal: os fisioterapeutas do trabalho.

A fisioterapia esportiva, por exemplo, desperta o interesse de muito jovens que entram para fazer a faculdade. Esse mercado conta com o glamour que envolve os clubes de futebol. E, no Brasil, futebol tem uma aura de sucesso. Sabemos que não é bem assim, porque há mais profissionais do que clubes com estrutura para contratá-los. Mas, voltando ao fisioterapeuta do trabalho, este tem um campo enorme de atuação e precisa ganhar respeito dos setores produtivos. Muitas vezes, os diagnósticos de LER em trabalhadores poderiam ser evitados se o fisioterapeuta estive presente no serviço especializado de engenharia e medicina do trabalho, cumprido seu papel preventivo.

Alison Alfred Klein, ex-presidente da Associação Brasileira de Fisioterapia do Trabalho, conhece bem os desafios para a categoria desenvolver-se e contribuir de forma efetiva para a prevenção das doenças osteomusculares ocupacionais.

Ele explica que todo fisioterapeuta graduado pode atuar como fisioterapeuta do trabalho sem necessariamente ter o título obtido pela associação. Com título, são apenas 300 fisioterapeutas. No entanto, no mercado de trabalho, estima-se que chegue a cinco mil fisioterapeutas. “Falta organização à categoria, ao não fortalecer as provas de título da Abrafit. Reconheço, porém, que os profissionais têm atuado de forma interessante, mas ainda de modo desorganizado, o que não demonstra ao mercado a importância do nosso desempenho”, considera.

Uma antiga reivindicação dos fisioterapeutas do trabalho é tornarem-se representados nos grupos de debates em relação à saúde e segurança dos trabalhadores no Ministério do Trabalho e Emprego. De todo modo, Alison admite que a categoria ganha corpo e está se tornando referência às empresas que buscam a ergonomia e o apoio para o suporte dos casos de LER/DORT.

Trabalhar com dor muscular é extremamente ruim ao empregado e, quase sempre, o incapacita. E o fisioterapeuta do trabalho tem muito a contribuir com esse quadro epidêmico, porque leva às empresas os programas de compensação biomecânica das cargas de trabalho e realiza diagnóstico ou avaliação cinesiológica funcional (avaliação fisioterápica), determinando a real condição do sistema osteomuscular do trabalhador. Também desenvolve programas de prevenção, que inclui ginástica laboral, e  desenvolve a cultura ergonômica, além de atuar como assistente técnico pericial nas questões de DORT, entre outras atividades.

Esses profissionais estão capacitados a fazerem o estudo da biomecânica e, principalmente, da fisiopatologia dos esforços. A cinesiopatologia e os estudos cineciológicos permitem, com facilidade, que o fisioterapeuta faça o estudo da função existente ou afetada do trabalhador, com correção do posto de trabalho, além de averiguar toda e qualquer relação entre os movimentos e as possíveis causas das LER ou DORT. Em vez do trabalhador se afastar do trabalho para fazer fisioterapia, é bem melhor que o fisioterapeuta, com ações preventivas, o mantenha saudável em seu posto de trabalho, porque ninguém gosta de adoecer.

Por Emily Sobral

4 Comentários

  1. Cíntia Souza da Silva

    O trabalho do fisioterapeuta também é importante para prevenção de outras lesões. No caso do setor elétrico, temos atividades que exigem muito dos ombros e braços do eletricista e também com posturas mais complexas. A importância do acompanhamento do profissional de fisioterapia juntamente com o educador físico está na redução de queixas de dores com um programa que está sendo implantado na empresa de Ginastica Funcional. É altamente recomendado e em nosso projeto piloto já vislumbramos melhorias significativas. Os profissionais envolvidos com o estudo e implantação deste progarama tem nosso respeito! É uma atividade séria e muito bem fundamentada!

  2. Emily

    Cíntia, você mostra que todos os profissionais empenhados com a saúde e segurança do trabalhador fazem a diferença, o que é, sem dúvida, uma visão nobre.
    abraço,

  3. Fernando Coelho

    Emily, este é um trabalho essencial para as pessoas.
    Chega a hora dos trabalhadores, de todas as áreas, terem auxilio competente
    que venham minimizar problemas de saúde futuros. Parabéns pelo conteúdo pleno.

Deixe uma resposta



This blog is kept spam free by WP-SpamFree.