• Extingue
    Extingue
  • Instituto Treni
    Instituto Treni
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg

A explosão do País causada pela delação de Joesley não é mais grave do que as explosões em indústrias

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Explosão em indústria é mais grave do que a causada por… (Foto Pixabay)
Joesley Batista, que pode derrubar a República (Imagem de reprodução)

As delações de Joesley Batista, dono do império de carnes, a JBS, mais pareceram uma explosão. Mas não escrevo sobre os estragos dessa hecatombe ao País (pobre, Brasil), pois não sou analista política nem econômica. O que quero expor hoje é sobre as graves consequências das ocorrências de explosões, no sentido literal, em diversos ambientes que contêm gases, vapores ou pós combustíveis.

Escrevo neste espaço sobre essas preocupantes explosões, pois muito poucas dessas tragédias são divulgadas pela imprensa. E, infelizmente, elas são extremamente recorrentes. Cito algumas relativamente recentes: por causa de atmosfera explosiva causada por poeira, em maio de 2016, uma explosão em uma secadora de mandioca em indústria de farinha, em Cianorte, no Paraná, resultou na morte de uma pessoa, além de ferimentos em nove trabalhadores.

Também em maio do ano passado, um mecânico executava uma solda em um veículo, que, juntamente com o combustível, resultou em explosão. O mecânico morreu e um ajudante ficou ferido.

Ainda em 2016, no início do ano, uma caldeira de uma cervejaria, que passava por manutenção, explodiu, matando quatro trabalhadores.

Ora, estou tratando de explosões reais e danosas que podem ser evitadas com ações responsáveis de prevenção e proteção. Primeiramente deve-se entender que a maioria dos processos industriais conta com produtos inflamáveis e combustíveis. Assim, nesses ambientes, os responsáveis pela segurança das instalações devem promover um estudo de classificação de áreas, necessário para selecionar os tipos de proteção aos equipamentos elétricos, de instrumentação ou de comunicação.

Repito o conceito: as áreas classificadas são locais nos quais a probabilidade da presença de atmosferas explosiva exige que sejam tomadas medidas prévias adequadas. Há inúmeros setores produtivos em que a presença de gases, vapores, poeiras ou fibras eleva o risco de explosão. E as regras de proteção contra esses riscos em áreas classificadas estão definidas em normas e decretos.

Para o andamento dessas medidas, deve-se recorrer a uma mão de obra especializada, que realiza o estudo de áreas. “É de responsabilidade da empresa evitar a formação de atmosferas explosivas ou, em não sendo possível, evitar a sua deflagração.

Entre as ações a adotar, lembro a aplicação dos requisitos das normas”, afirma Paulo Raña, engenheiro e representante da empresa espanhola ADIX, especializada na prevenção de explosões e proteção de pessoas e ativos. Na norma regulamentadora 10, que trata de segurança em instalações e serviços de eletricidade, por exemplo, a orientação no que concerne a áreas classificadas é a realização de treinamento de todos os envolvidos nos fundamentos para classificação de áreas, assim como nas formas de proteção e prevenção a serem adotadas. E finalizo, insistindo num ponto: as indústrias precisam estar conscientizadas da importância do gerenciamento de áreas de risco de explosão para prevenir danos humanos e matérias irreversíveis.

 

4 Comentários

  1. Robson Eliandro Serqueira

    Verdade Emily! De fato o Brasil, está explodindo! E todos nós, trabalhadores estamos indo pelos ares.

Deixe uma resposta



This blog is kept spam free by WP-SpamFree.