• Extingue
    Extingue
  • Instituto Treni
    Instituto Treni
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg
  • Santista
    Santista

Auxílio-doença acidentário e auxílio-doença previdenciário são diferentes, não sabia?

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Os trabalhadores precisam entender seus direitos previdenciários e trabalhistas (Foto Pixabay)

Não tem choro nem vela, mas a previdência social brasileira vai precisar de reformas, e o congresso nacional e o senado não vão poder abster-se, pois é questão de sobrevivência das contas públicas.

É claro, defendo que os privilégios do funcionalismo público, executivo, legislativo e judiciário, precisarão ser eliminados, e a previdência dos ‘lindinhos especiais dos servidores públicos’ deve ser equiparada à do setor privado. Após expressar a minha opinião, que cada um tem a sua, vamos aos direitos de quem recebe auxílio-doença e auxílio-acidente, que não serão mexidos substancialmente com a reforma. Mas, lembre-se, a concessão de auxílios sempre muda a partir de novas portarias e decisões judiciais. Atualmente, há dúvidas em relação aos auxílios, tanto doença como acidente.

Vamos esclarecer que o auxílio-doença envolve duas esferas. Primeiramente, o auxílio-doença com viés previdenciário é aquele em que o trabalhador com carteira assinada precisa se afastar do trabalho, não motivado por um acidente enquanto laborava. Nesse caso, não há garantia de estabilidade no emprego, quando ele retorna ao emprego. Já o afastamento por causa de acidente ou doença por causa da ocupação desenvolvida resulta em 12 meses sem demissão, quando o empregado retorna às atividades.

O auxílio-doença/acidente é diferente do auxílio-doença previdenciário. Neste último, não há período de carência no benefício acidentário. No caso do acidentário, além do período de estabilidade, a empresa é obrigada a depositar o FGTS do trabalhador durante todo o tempo de afastamento do segurado. Se este tiver sofrido um acidente de trabalho ou desenvolvido uma doença causada por sua atividade laboral, o cálculo da renda de sua remuneração hoje é feito considerando-se a média aritmética simples das últimas 12 contribuições ao INSS. O valor pago ao trabalhador afastado corresponde a 91% dessa média aritmética simples das últimas 12 contribuições ao INSS, nos dois casos de auxílio-doença (acidentário ou previdenciário).

Somente quando esse benefício vira uma aposentadoria por invalidez, o valor passa a ser de 100% a média dos 80% maiores salários de contribuição. O cálculo do benefício funciona como uma indenização paga ao segurado que sofreu um acidente e ficou com sequelas que reduziram sua capacidade laborativa.

No auxílio-acidente, o valor pago deverá ser correspondente a 50% do valor do salário de benefício, o qual é apurado pela média dos 80% maiores salários de contribuição e, 100% desse salário de benefício, quando se referir à aposentadoria por invalidez.

Agora você pode ler este post também na PATISEG, portal digital de prevenção de acidentes de trabalho, incêndio e segurança eletrônica.

O eSocial vai ‘obrigar’ as empresas a terem políticas de segurança do trabalho. Confira e Aprenda como fazer!

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

No Brasil, formalizar uma organização empresarial requer a observância e o cumprimento de muitas obrigações legais. Sabemos que há burocracia demais, mas também existem requisitos necessários na relação entre negócio e governo. A bola da vez é o eSocial, o Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais,

Acidentômetro, triste estatística

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

A população do Brasil já conhece o Impostômetro, iniciativa da Associação Comercial de São Paulo, que mede o total de impostos pagos pelos brasileiros. Até setembro deste ano, o total de R$ 1,5 trilhão já havia sido atingido, o que não é pouco recurso para ser gasto em saúde,

Cartilha contra o assédio sexual no trabalho: tenha uma debaixo do braço

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

A violência contra a mulher no trabalho, por meio do assédio sexual e moral, precisa urgentemente tornar-se um ‘bicho papão’ dos assediadores. E como será possível conter a petulância dos perseguidores? Primeiramente, com informação para empresas e empregados. Assim, sinto-me na obrigação de divulgar a cartilha “O ABC da violência contra a mulher no trabalho”,

Convenção de Minamata é um passo na proteção definitiva contra a contaminação pelo mercúrio, mas antes há muitas ações previstas nas NRs

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

O metal mercúrio é altamente tóxico e causador de doenças neurológicas, entre outras graves patologias. Utilizado em processos industriais, como a produção de lâmpadas fluorescentes, o mercúrio e sua inalação é um risco aos trabalhadores. O mercúrio é transportado dos pulmões pelo sangue ao organismo,

Trabalhador idoso é experiente, mas precisa de atenção especial, ok?

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Está todo mundo velho, oba. Está todo mundo velho, oba! Até eu (rsrsrs).

Sim, a ciência e a medicina fizeram o favor de elevar a expectativa de vida das pessoas, inclusive no Brasil. Portanto, o número de idosos no País tem aumentado a cada ano e,

Profissionais de segurança precisam reconhecer as diferenças entre homens e mulheres nas práticas de SST

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Amigos e amigas, não pretendo com este post ser patrulhada por esquerdistas defensores da chamada “ideologia de gênero”, até porque este blog trata de segurança do trabalho. Isso quer dizer que nossa preocupação é com os riscos ocupacionais aos quais estão expostos,

Telhas de amianto: o perigo voltou, por causa do descarte inadequado

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Há um ano, os trabalhadores brasileiros venciam o mal do amianto, matéria-prima para a indústria de telhas e caixas d´água, que, segundo organizações de saúde, é comprovadamente cancerígeno e não há prevenção que elimine o risco aos empregados que trabalham no processo de produção.

Vai xingar? Cuidado que a empresa pode ser condenada por assédio moral

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Respeito é bom, e todos gostam, não é mesmo? No ambiente ocupacional, a atitude de consideração aos trabalhadores significa que há respeito por princípios civilizatórios. O poder e o dinheiro não dão passe livre para as humilhações impostas por muitos empregadores e chefias pelo País a fora.

Cinta ergonômica não é top usado por jogador de futebol

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

O que tem a ver o top, que parece um sutiã masculino, usado por atletas de futebol durante as partidas, com a cinta ergonômica utilizada por trabalhadores que fazem transporte manual de cargas pesadas? Praticamente nada. O top é um item do uniforme dos times,