• Extingue
    Extingue
  • Instituto Treni
    Instituto Treni
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg

Cresce suicídio de policiais, será que está relacionado às atividades violentas?

Emily Sobral Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Policiais precisam de prevenção em SST (Foto Pixabay)

Não encontrei nenhum twitte de profissional de saúde e segurança do trabalho nem postagem no Instagram repercutindo os dados divulgados, no início deste mês, pela Ouvidoria da Polícia de São Paulo sobre o aumento do número de suicídios cometidos por policiais militares em São Paulo. Por que será? Não podemos analisar os riscos ocupacionais aos quais estão expostos os policiais militares, que os podem levar até ao suicídio? O que leva essa categoria a cometer um ato máximo contra sua própria vida, justamente uma que convive diariamente com criminosos e assassinos, e tem a missão de combatê-los e reprimi-los? Mas vamos à realidade dos números de suicídio, que cresceram 84% no ano passado em relação a 2017, saindo de 19 para 35 casos. O estudo mostra que o aumento refere-se mais aos PMs aposentados: 4 casos, em 2017 para 15 em 2018, elevação de 275%.

Parece que a inatividade foi um gatilho do transtorno mental relacionado ao trabalho, que levou os ex-policiais a se matarem? Meus palpites não têm base cientifica, evidentemente. Minha intenção é expor que há evidente desgaste mental na função do agente da segurança pública no Brasil. Segundo o Atlas da Violência 2018 do Ministério da Saúde, o Brasil superou o patamar de 30 assassinatos a cada 100 mil habitantes, com a marca de mais de 62 mil mortes violentas intencionais em 2016. Portanto, o profissional de SST tem a obrigação de, no mínimo, cobrar das autoridades que o que é exigido em medidas de prevenção contra doenças e acidentes de trabalho do setor privado, também deve ser para o setor público.

É preciso que providências de proteção sejam previamente tomadas para preservar a integridade física e mental dos policiais. Decerto, a corporação paulista já conta com programas de prevenção ao suicídio e com estudos para entender o fenômeno envolvendo esses profissionais. Além disso, um trabalho científico denominado “autópsia psicológica” tenta buscar com familiares e amigos das vítimas as razões para esse tipo de fatalidade.

Agora você pode ler este post também na PATISEG, portal digital de prevenção de acidentes de trabalho, incêndio e segurança eletrônica.

Brasil sem incêndios. Um dia isso será possível?

Emily Sobral Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Vou ‘chover no molhado’ para falar do Brasil, ainda que este post aborde incêndios, fogo e suas causas. O País não tem cultura de prevenção porque o brasileiro não aprende a prevenir-se nem depois de roubado. É o tal do jeitinho que se traduz nas gambiarras tão prejudiciais à segurança das pessoas e das edificações.

Networking em segurança do trabalho ao vivo e em cores

Emily Sobral Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Vamos acreditar que o Brasil que dá certo existe. E sabe por quê? Porque há ainda uma legião de profissionais que se vira nos 30 e vai além das relações virtuais, tão entusiasmadas hoje em dia.

A que me refiro, afinal, abrindo este post com otimismo?

Brumadinho e CT do Flamengo. Qual a lição a ser tomada?

Hoje, sexta-feira, cedo espaço para Leandro Melero, analista de segurança do trabalho na Porto Seguro, que me substitui no lavor diário, trazendo um texto original e opinativo. Com o post, Melero faz uma excelente reflexão sobre a negligência, que é bem diferente de fatalidade.

Emily Sobral Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Por Leandro Melero

Em tragédias de comoção nacional como as do Córrego do Feijão em Minas Gerais e Ninho do Urubu no Rio de Janeiro,

Catador de material reciclável precisa de cuidados

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Desde 2010, o Brasil conta com uma lei que estabelece a Política Nacional de Resíduos Sólidos. O objetivo da legislação é fazer com que os municípios mantenham programas de coleta seletiva de resíduos. Além de estimular o fechamento dos lixões a céu aberto das cidades,

Criação da NR 37, para impedir que plataformas de petróleos explodam e matem trabalhadores

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Não é preciso ser nenhum Einstein para saber que as plataformas de petróleo são ambientes de trabalho em que os empregados estão expostos a acidentes por vazamentos ou falhas mecânicas, que podem causar incêndios, explosões e problemas toxicológicos. Portanto, demorou, mas finalmente foi publicada a norma regulamentadora 37,

Afastamento por doença mental: os desafios permanentes para o nexo com o trabalho

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Quem trabalha para promover a saúde e o bem-estar das pessoas no ambiente ocupacional bem sabe que os afastamentos do trabalho por distúrbios mentais vêm sendo confirmados como a terceira principal causa de concessão de auxílio-doença por incapacidade laborativa.

Em 2017, houve 200 mil casos;

Elevador de obra: que se use o melhor para o canteiro não virar um cenário de tragédia

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Os elevadores de obras, aqueles instalados enquanto as edificações estão sendo executadas, transportam materiais e operários verticalmente, e estes precisam ser seguros, não é mesmo? Como se sabe, muitos dos acidentes contabilizados na indústria da construção civil estão relacionados aos equipamentos sem condições de uso.

Em 2018, cresceram os afastamentos por doenças relacionadas ao trabalho. Explicação: isso é ruim, mas por uma boa razão

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Não venham dizer que o aumento dos afastamentos de empregados por doenças relacionadas ao trabalho é culpa da extinção do Ministério do Trabalho, decisão do governo Bolsonaro. Recentes dados do Instituto Nacional de Previdência Social (INSS) dão conta de que a concessão de auxílio-doença relacionado às atividades laborais subiu cerca de 6% no ano passado,

Trabalhadores de mineração sofrem com outros riscos, além de queda de barragem. Cada empresa tem situações que precisam de medidas de segurança

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Se a tragédia causada pela mineradora da Vale, em Brumadinho, em Minas Gerais, com mais de 600 vítimas, entre desaparecidos, resgatados e mortos, pode ser considerada um dos maiores acidentes de trabalho no País, o que dizer sobre a saúde de quem trabalha em mineradoras?