• Extingue
    Extingue
  • Instituto Treni
    Instituto Treni
  • Portal PatiSeg
    Portal PatiSeg
  • Santista
    Santista

Café com pão, acidentes não

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Riscos do trabalho em padarias (Foto Pixabay)

Quem não gosta de ir à padaria tomar café (bem brasileiro), comer pães fresquinhos e até degustar bolos e doces? Uma panificadora é um tipo de lugar que aquece a alma. Pena que também acrescente boas calorias ao nosso corpinho, não é mesmo? Mas esse prazer gastronômico é dado ao cliente. Para quem é trabalhador de padaria, a situação não é tão doce assim. Primeiramente, traço um panorama do setor: no Brasil, o segmento é composto por mais de 63 mil panificadoras e, em 2012, receberam cerca de 44 milhões de clientes. O setor gera cerca de 802 mil empregos diretos e 1,85 milhão de forma indireta. Está tudo muito bom, está tudo muito bem, se a atividade de panificação não oferecesse tantos riscos de ocorrências de acidentes de trabalho.

Infelizmente, nem sempre uma padaria conta com o Serviço Engenharia e Medicina do Trabalho (SESMT), pois sua obrigatoriedade vai depender do número de empregados, mas, de todo modo, um estabelecimento sério deve produzir o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, o PPRA, para antecipar, reconhecer, avaliar e controlar os riscos ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho. Os riscos observados em diversos postos de trabalho em panificadoras, em geral, ficam divididos em dois setores, atendimento e produção.

Durante uma jornada de trabalho de oito horas, os níveis de ruído e de temperatura devem ser controlados para não ultrapassar os limites de tolerância, evitando que os empregados apresentem problemas auditivos e que não fiquem expostos à insalubridade. Há também o risco ergonômico, especialmente aos trabalhadores do atendimento e caixa. Para preveni-los, deve-se adotar algumas medidas como rodízio de função, cadeiras para descanso e semi-sentada, apoio aos pés e descanso da região lombar.

No setor de produção, os principais riscos referem-se às máquinas. Há equipamentos, como cortador de frios, fornos, amassadeira rápida, modeladora de pães, divisora de mesa, batedeira planetária, fritadeira, entre outros, que oferecem riscos físicos e de acidentes. Para prevenir acidentes, como queimaduras, lesões, cortes e ferimentos, as panificadoras devem adotar a norma regulamentadora 12, que trata de segurança de máquinas e equipamentos.

Ao setor, a NR 12 estabelece critérios que visam à proteção coletiva, com parâmetros de segurança para amassadeiras, batedeiras, modeladoras, cilindros de massa e fatiadoras. Se estiverem atentos às ações de prevenção, os empregadores não terão empregados acidentados e doentes, que precisam afastar-se das atividades. Aceita um cafezinho?

5 Comentários

  1. Jandira Gomes

    Todo setor onde há manipulação de máquinas há uma perigo iminente. Por isso as ações de prevenção e conscientização são tão importantes.

Deixe uma resposta

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.