• FQLSolution
    FQLSolution
  • Adix
    Adix
  • Santista
    Santista

Acidente com morte, doeu no bolso e mudou a direção no sentido da segurança

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Matriz euzébio
Matriz da M Dias Branco, em Euzébio (Foto retirada do site da empresa)

Sabemos que há duas formas de aprender as coisas: pelo amor ou pela dor. Foi assim também com a M Dias Branco, fabricante de massas e biscoitos, com sede no município de Euzébio, região metropolitana de Fortaleza (CE), e que conta com outras instalações em oito estados brasileiros.

Em todas suas unidades, a fábrica emprega 16 mil trabalhadores. Pois é, após um grave acidente, uma explosão que matou quatro funcionários e feriu outros quatro em sua unidade de produção de gordura e margarina, em Fortaleza, que resultou na condenação da empresa na justiça trabalhista ao pagamento de mais de dois milhões de reais em indenizações, a M Dias Branco resolveu implantar, em 2014, o Programa Positivo. Trata-se de um projeto que incentiva os profissionais a relatarem o que pode ser melhorado na rotina de produção para garantir a segurança e o bem-estar de todos. Foi depois do acidente, sim, que a empresa decidiu ampliar as ações de saúde e segurança do trabalho. Hoje, a empresa é referência em boas práticas de SST. Diariamente, 26 caminhões abastecem a unidade de Euzébio com cerca de 800 toneladas de trigo, matéria-prima usada na produção de massas, bolos, torradas, biscoitos e várias outras delícias.

Como a linha de produção envolve a manipulação de alimentos, todos os empregados, inclusive os visitantes, só podem ter acesso à fábrica usando touca, avental, máscara para cobrir a barba e protetores para os ouvidos. Dos trabalhadores, dependendo da função que exercem, ainda são exigidos outros acessórios. Quem carrega peso usa coletes para a coluna, e abafadores nos ouvidos em locais onde as máquinas fazem muito barulho. Além disso, adesivos são espalhados em todos os setores, reforçando o uso obrigatório dos equipamentos de proteção individual (EPI). Aliás, na M Dias Branco, uma das regras de ouro é a utilização dos EPIs. Com mais de 60 anos, a empresa mantém três horários: quem trabalha de manhã e a tarde, cumpre 44 horas semanais, já os trabalhadores do turno da noite têm jornada de 36 horas.

O Programa Positivo é voltado a todos os escalões da empresa. Quando se observa que alguém está tendo um comportamento que não é adequado, qualquer empregado faz o relato da ocorrência. Se for observado que há alguma condição insegura na estrutura, o comunicado também é feito. São informações compiladas em um relatório, que sugerem ações de correção de forma preventiva, para eliminar as condições de risco.

Desde que a segurança passou a ser tratada como um valor da empresa e responsabilidade de todos, foram criados os alertas de segurança, as observações de comportamentos e a pesquisa de percepção da cultura da segurança e saúde, envolvendo todos os setores da fábrica, moagem do grão de trigo, produção da farinha, na embalagem dos alimentos e distribuição dos produtos até a gestão da empresa. O envolvimento da equipe com a segurança vai do auxiliar até o presidente. Porque, afinal, o fator de sucesso de qualquer tipo de programa em SST é mesmo o envolvimento de cada empregado que faz a empresa, seja o porteiro ou um alto executivo.

A partir do programa, nunca mais aconteceram acidentes graves, pois a cultura de prevenção que vem sendo feita ao longo de anos tem atingido resultados bastante positivos. O processo de fortalecimento da cultura da prevenção começou a ser implantado em 2014, com a capacitação de diretores e gerentes e a conscientização de todos os colaboradores. A quantidade de acidentes das unidades caiu 20% entre 2014/2015 e a tendência de redução se manteve em 2016. No ano passado, ocorreram apenas acidentes considerados de pequeno porte, como tropeços e torções. Os trabalhadores relatam as situações de comportamento inseguro e entendem muito mais sobre saúde e segurança do trabalho. Agora, todos têm noção da percepção de risco das suas respectivas atividades. Além dos EPIS, a fábrica também investiu em equipamento de proteção coletiva, como sistema de ventilação industrial, para o conforto térmico, que minimiza riscos de acidentes. A meta do Programa Positivo é que seja implantado em todas as unidades até 2024.

 

 

Não basta só usar uniforme de coletor de lixo, tem que sentir todos os riscos da função

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

No primeiro dia deste ano, quando o prefeito João Doria (PSDB) de São Paulo vestiu-se de coletor de lixo, que a grande imprensa chama de gari, a repercussão foi enorme. Adversários políticos criticaram o prefeito, por entenderem ser uma atitude demagógica e marqueteira. Por outro lado,

Estresse do trabalho e bruxismo

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Sobrecarga de trabalho, pressões e cobranças excessivas podem levar uma pessoa a sofrer de estresse. Como uma coisa puxa a outra, hoje, não é novidade que o estresse compromete a saúde. As DTM (disfunções temporomandibulares), que são condições dolorosas envolvendo os músculos da mastigação,

“Coldre veicular” para a segurança do policial

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Quando estão dentro das viaturas, em geral, os policiais mantêm a arma entre as pernas ou sob as pernas. Ai, que perigo! Já não basta o estresse desses trabalhadores, responsáveis pela segurança pública, que correm risco de vida no dia a dia, ainda há situações esdrúxulas como a de carregar a arma entre as pernas. 

Explosão em fábrica de fertilizantes é a primeira do ano. Cadê a prevenção e proteção, indústrias?

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Ai, ai, mal começou 2017 e já ocorreu uma explosão em indústria. Desta vez, o acidente foi numa fábrica de fertilizantes, que gerou uma nuvem tóxica que se espalhou pela região de Cubatão, em São Paulo.  Por volta das 15 horas, os trabalhadores ouviram o estrondo,

País precisa de trabalhadores equilibrados, sem estresse e produtivos

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Em tempos de pressão por resultados financeiros nas empresas, especialmente com a crise econômica severa em que estamos metidos, há um problema que cresce no cenário do trabalho: o esgotamento físico e mental de profissionais. Também conhecida como síndrome de burnout, palavra da língua inglesa que significa “algo que queima até não sobrar nada”,

Motoristas de ambulâncias: heróis em extinção

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Publiquei no final de 2016 um post sobre as condições de trabalho de motoristas de ambulância. Hoje, quando retorno de férias, volto à categoria, especificamente sobre os condutores do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), provido pelos estados.

Neste blog, pesquisadores na área de prevenção de doenças e acidentes têm todo nosso respeito.

Bom humor a todos é o que deseja esta blogueira de SST, proteção contra incêndio e explosões

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

As redes sociais perguntam: qual foi a melhor coisa de 2016 para você? Resposta: “Me separei de minha noiva”. Rsrsrs. Resuma em três letras 2016. Resposta: “Puta Que Pariu!”.

O brasileiro tem um espírito gozador que chega a ser lúdico. Se está ruim,

Informação colabora com prevenção de explosões

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

O Brasil vive hoje uma situação em que combater a corrupção é mais do que um dever patriótico. Trata-se de sobrevivência. Torço para nos livrarmos desse encosto maldito. Que vão para a cadeia todos os entes corruptos e criminosos que empobrecem a nação.  Já aqui,

Conselho da Previdência Social corrige incoerência do FAP no acidente de trajeto

Por Emily Sobral

Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

A decisão tomada pelo Conselho Nacional de Previdência Social, em novembro, finalmente, revela bom senso. A partir de 2017, as empresas não precisarão mais comunicar acidentes de trabalho (emitirem a CAT à previdência) que levem a afastamento por até 15 dias e também deixarão de comunicar todos os acidentes de trajeto.